O que realmente importa...

Minha foto
São Paulo, Brazil
Cheguei ao final do ano de 2009 totalmente estressada e esgotada devido as preocupações do dia-a-dia, com trabalho, estudo, e etc. Na verdade, eu não tinha nenhum problema específico. Apenas, era pessoa ansiosa e preocupada demais com o dia de amanhã. Mas como está na palavra de Deus: "...basta a cada dia o seu mal". Eu precisei passar por um sofrimento muito grande, pra enxergar que na verdade, as minhas preocupações, as minhas ansiedades não mereciam as noites de sono mal dormidas, a depressão que estava querendo tomar conta de mim! Sem querer negligenciar todo resto, eu aprendi que nada nesta vida tem realmente importância, a não ser, a vida daqueles que amamos...estes sim, são o que realmente têm importância em nossa vida... Eu tenho uma filha e um marido maravilhosos, que eu Amo, e que são bençãos que Deus me deu! Eu tenho familiares maravilhosos que eu Amo muito... E tenho amigos maravilhosos que amo muito também...Enfim, tanto pra agradecer ao Senhor! Mas só depois que eu perdi a minha amada sobrinha Júlia, foi que tive a real dimensão da importância de todos eles em minha vida! Todos eles são o que realmente importa pra mim! Todo o restante é secundário...07/2010

Seguidores

quinta-feira, 11 de novembro de 2021

Crônicas da quarentena XIV


           Estamos no 605° dia da quarentena. A situação melhorou, as mortes diminuíram, mas a pandemia ainda não acabou...

Sonho com o dia em que poderemos abolir definitivamente o uso de máscaras – mas com total segurança! Em que poderemos fazer aquelas aglomerações gostosas com os parentes e amigos!

A bem da verdade, algumas pessoas já estão vivendo livres, leves e soltas, como se nada tivesse acontecido! Como se a pandemia nunca tivesse existido.

Parece que alguns vivem ou sempre viveram, em uma realidade paralela...

Longe de mim ser pessimista! Muito pelo contrário: anseio por dias melhores, e cheios de esperança!

No entanto, não consigo ficar alheia às mais de 610.000 mortes que tivemos aqui no Brasil, e às mais de 5.000.000 de mortes no mundo!

Quando me lembro, de como me senti lá no início de tudo - sinto como se tivesse vivido algo surreal!

Lembro-me do medo do desconhecido. Medo de sair na rua, de pôr o pé na calçada...

Medo de contaminar um familiar ou ser contaminada.

Lembro também do sofrimento que o distanciamento causou...  Só agora é que estamos voltando a encontrar os parentes, e ocasionalmente, alguns amigos.

Lembro das noites mal dormidas... Do pânico que sentia ao abrir minhas redes sociais, e me deparar com tantos lutos!

Pessoas adoecendo e morrendo devido à Covid. E outras morrendo de infarto e AVC decorrentes do estresse vivenciado!

Quantas e quantas noites, eu foi dormir com um aperto no peito e sensação de pânico? Medo de não acordar no dia seguinte...

Hoje, com a graça de Deus tudo está melhorando, as mortes diminuíram muito, e podemos vislumbrar dias melhores.

Porém, a sensação que tenho é a de estar vivendo em um estado de estresse pós traumático! Como se tivéssemos passado por uma guerra!

O pior já passou, graças a  Deus! Mas o estresse vivenciado em todo esse tempo, cobra o seu preço.

Têm dias que me sinto bem, me sinto alegre e esperançosa. Mas em certos dias, bate um desânimo, uma vontade de chorar sem motivo... Creio que ainda vai demorar um tempo, para que eu possa superar tudo, e voltar à normalidade!

A vacina – enfim – parece que está chegando também, para as crianças menores.

Será mais uma vitória e um alívio! As aulas voltaram à normalidade, e nos sentiremos bem mais seguros com a vacina para todas as crianças!

Com a maioria da população vacinada, atingiremos então, a tão esperada imunidade coletiva.

Até lá, sigamos com cautela, fazendo a nossa parte: tomando todas as medidas preventivas que nos cabem, e sem promover aglomerações desnecessárias.

Tenho fé, que chegará o dia em que essa pandemia terá fim! Em que poderemos sair livremente, sem medo e sem máscaras!

Com a graça de Deus - vai passar!

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Adoção: Entrega legal não é crime! Abandono é crime!!

Imagem extraída do Google 
            Ontem, ao assistir a TV, fiquei chocada com  uma notícia: um recém-nascido foi encontrado sem vida, em uma caçamba de lixo, na cidade de Paulínia.

Este tipo de notícia, entristece o meu coração! Me dá um aperto no peito... Só de pensar em uma criança indefesa, encontrada nestas condições... Sem chance nenhuma de defesa!

E, hoje ao acordar - por coincidência - me deparei com uma mensagem de uma desconhecida: que escreveu-me perguntando, se poderia fazer uma pergunta pessoal, sem que eu a julgasse. Respondi que sim!

Então, ela me contou um pouco de sua história.

É mãe de quatro filhos, e está novamente grávida. Tem filhos pequenos, e está pensando em entregar a criança para adoção, mas queria saber se não é crime. Me disse que não quer abortar! E que não tem condições de ficar com a criança.

Respondi à ela, que a entrega legal não é crime. Que ela deve procurar a assistente social do Fórum de sua cidade, e explicar a situação. Assim, ela terá todo o apoio para fazer a entrega com segurança. Inclusive, apoio psicológico.

O interessante, é que essa mulher, não é a primeira que me escreve, pedindo orientações...

Creio, que pelo fato de eu escrever sobre adoção, elas se sentem seguras em me procurar!

De quando em quando, alguma me escreve com dúvidas: sobre detalhes do processo de adoção, ou sobre a entrega de crianças.

Certa vez, uma me escreveu querendo doar-me seu bebê! Expliquei-lhe que esse tipo de entrega é crime, e enviei um passo a passo que eu já tenho até salvo, com todas as explicações sobre a entrega legal: que tem que ser feita através do Fórum!

Já perdi a conta, de quantas mulheres me escreveram com esse tipo de dúvida.

E hoje, ao contar o acontecido para minha filha mais velha, ela me disse que Deus estava me usando... O engraçado, é que senti exatamente isso - hoje ao conversar com essa mulher, que com certeza, está desorientada e sem rumo...

Em todas às vezes que conversei com essas mulheres, não fiz nenhum tipo de julgamento, e nenhum sermão! Apenas orientei-as a fazer a entrega de maneira correta.

Penso, que só o fato, delas terem a coragem de entregar as crianças - em vez de abandoná-las - já é em si, um ato de coragem e de responsabilidade, por parte delas!

Que Deus abençoe essas mulheres! E que essas crianças tenham futuros felizes: ao lado de famílias que tenham condições de criá-las, com todo cuidado e amor!

Certa vez, um grande amigo, que já se foi - escreveu sobre um de meus textos:

“...Quando, num instante qualquer do futuro, alguém topar com seu trabalho e nele se inspirar à concretizar uma adoção - mesmo que isso aconteça uma única vez -, terá recuperado uma vida incerta para o caminho de uma família; e apenas por esta vez, todo seu trabalho terá valido a pena!”.

Hoje - de certa maneira – mesmo que indiretamente, Deus me usou para encaminhar essa criança para a adoção. E só pelo que aconteceu hoje - sinto que todo o meu trabalho tem valido a pena!

Glórias a Jesus por isso!!

"Entrega legal não é crime! Abandono é crime!!"

Imagem extraída do Google 

terça-feira, 21 de setembro de 2021

Em memória de um amigo...

           A vida é um sopro!!

Assim nos diz a Palavra de Deus. E é a mais pura verdade!

E vez ou outra, somos confrontados com essa verdade. Principalmente quando perdemos entes queridos...

O último fim de semana, foi triste pra  nós... Na sexta-feira perdemos um vizinho e um grande amigo! Uma amizade de mais de 25 anos...

Ele morava ao lado de minha casa. E tinha uma casa na praia, também. Passava uma parte do ano lá, depois vinha e ficava uma temporada aqui. Sentíamos falta dele, quando ele passava muito tempo por lá.

Dessa última vez, ele ficou mais de um ano e meio, por conta da pandemia.

Chegou no mês passado, bem abatido! Não andava se sentindo muito bem, e foi para a capital fazer alguns exames.

Da descoberta de sua doença até a sua partida, eu creio que se passou mais ou menos um mês...

Ele partiu repentinamente! Foi uma partida repentina para nós. Mas como disse sua irmã: foi no tempo de Deus. E foi o melhor pra ele, para que não sofresse!

Só que essas partidas abruptas e repentinas,  deixam na gente, além da tristeza, uma sensação desagradável de impotência: de que deveríamos ter feito mais, abraçado mais, enfim, ter dado mais atenção!

O vimos, no domingo retrasado, em que ele já estava muito debilitado. Meu marido até comentou comigo, que se ele pudesse tomar café, iria fazer um expresso na nossa maquininha - pois ele gostava muito! Mas não deu tempo...

Não deu tempo de dar um último abraço... Com a pandemia, mantivemos o distanciamento. Tocamos apenas os punhos e lhe desejamos muita força e fé! E em menos de uma semana, ele partiu!

Hoje recebi uma mudinha de hortelã: que sua irmã havia comprado para fazer chá, e a pedido dele - ela plantou a muda pra mim. Ele sabia, que eu gostava de plantas! Fiquei emocionada ao recebê-la.

Neste domingo, quando retornamos do sítio dos meus sogros, avistamos a sua casa ao chegar. E bateu uma tristeza em nós! Tristeza em saber que não veremos mais o nosso vizinho e amigo querido...

Na frente de minha casa, tenho plantado um pé de “lanterninha japonesa” – de uma muda que trouxemos, lá da sua casa da praia (que ele gentilmente nos emprestou, para que passássemos alguns dias de férias, há dois anos atrás).

O pé está bonito, viçoso! E certamente, toda vez que eu olhar para esse pé de “lanterninha”, vou me lembrar desse querido amigo! 

A quem meu filho mais novo, chamava de "Tio". Que com seu jeito sereno e manso - um gentleman, como disse seu sobrinho -  sempre foi tão presente em nossas vidas, mesmo que muitas vezes, estivesse distante.

E que partiu tão repentinamente... Deixando saudades em todos nós!

"Amigo é coisa pra se guardar, no lado esquerdo do peito. Mesmo que o tempo e a distância digam 'não'!"

Link relacionado: https://adelisa-oquerealmenteimporta.blogspot.com/2012/10/quando-se-tem-um-amigo.html

quarta-feira, 18 de agosto de 2021

Crônicas da quarentena XIII


             
Pelas minhas contas estamos 520º dia da quarentena... Tenho aprendido tanto, nestes últimos tempos!

Essa pandemia tem me ensinado muito: quer seja através do isolamento, do sofrimento; ou de várias outras situações, que fui obrigada a enfrentar e encarar.

O que tenho aprendido com a pandemia? Muito!!

Aprendi, de certa forma,  a ser minimalista: como não tenho saído muito e nem recebido visitas, eu tenho comprado muito menos coisas. E diga-se de passagem: a maioria delas, era desnecessária! De certa forma – aderi, na “marra” à onda do minimalismo.

Aprendi a não criar expectativas com relação às pessoas: algumas, de quem eu não esperava nada - deram uma lição de empatia, respeito, responsabilidade social e amor ao próximo! Outras, de quem eu esperava o exemplo - deixaram a desejar, mostrando total irresponsabilidade, frente ao momento tão difícil que estamos vivendo...

Aprendi a esperar - é só o que nos resta a fazer! Tem sido um exercício de paciência, esse período, de quase um ano e meio... Aprendi que não adianta ter pressa, o que nos resta é esperar em Deus, confiar na ciência e orar para que tudo passe!

Aprendi, ou melhor - me lembrei...  Que ter dinheiro é bom, é necessário - mas que precisamos acima de tudo, de saúde para desfrutá-lo!

Aprendi que a vida é um sopro! E que não somos “nada” frente a um vírus, até então, desconhecido! Vi muitos partirem prematuramente! Vi o sofrimento de muitos, frente à perda de seus familiares e amigos...

Em alguns dias, acordei com um nó na garganta, em total desesperança! E em algumas noites, o medo e a ansiedade bateram forte: o sono não veio, o peito apertou... E mais uma vez - orei pedindo a Deus forças para prosseguir...

Nos últimos dias, a situação melhorou um pouco. O número de mortes e doentes diminuiu, com a intensificação da vacinação. E apesar das variantes que surgem aqui e ali, podemos enfim - vislumbrar um resquício de esperança para o futuro...

Frente a tudo isso que temos vivido e encarado, eu me lembrei de um texto de  Shakespeare, que gosto muito, e parafraseio aqui, um de seus trechos: 

Aprendi que realmente posso suportar. Que realmente sou forte. E que posso ir muito mais longe, depois de pensar que não poderia mais...

domingo, 18 de julho de 2021

Os "invernos" de nossas vidas...

  

Hoje estava me lembrando de um texto, que eu escrevi em 2012... Sobre o inverno.

No momento estamos todos passando pelo inverno, nos sentidos - literal e figurado, da palavra!

Estamos na estação mais fria do ano. Mas também passamos por um "grande e rigoroso inverno" - que é essa pandemia!

Que Deus nos dê força, fé e ânimo para superarmos, esperarmos e esperançarmos todos os dias, até que esse "inverno" tenha fim! 🙏

 

Os invernos de nossas vidas...

(Texto escrito em 2012)

Hoje acordei pensando nas estações do ano. E como me sinto a cada inverno...

É engraçado, mas invariavelmente a cada final de inverno, eu sinto como se minhas forças estivessem quase se extinguindo.

Creio que sou movida à energia solar! E todo inverno, eu acabo perdendo um pouco de minhas forças...

É a estação do ano em que a luz solar diminui, os dias às vezes são cinzentos e a temperatura esfria.

Pois a minha alma no inverno, sente a falta de calor, assim como meu corpo...

Chego ao final de cada inverno, cansada, com a imunidade baixa e meio tristonha. Tento me animar, reagir, mas todo ano é assim...

O inverno - creio que inconscientemente - me remete aos momentos difíceis e tristes por que passei nessa vida!

O curioso, é que na maioria das vezes, estes momentos ocorreram na estação mais quente do ano, o verão.

Só que pra mim, era como se todos aqueles dias fossem cinzentos e frios...

No entanto, o bom dessa vida é que tudo está sempre se renovando!

Depois de cada inverno, a primavera chega com suas flores, sua luz e seu calor... E aí o desânimo, o cansaço e a tristeza vão embora. Vou sentindo aos poucos, minhas forças sendo renovadas!

O sol vai brilhando um pouco mais a cada dia, assim como minha alma...

Penso que talvez, se não existissem os “invernos” em nossas vidas, as nossas “primaveras”, “verões” e "outonos” não seriam tão encantadores, tão estimulantes e tão abençoados!

Obrigada Senhor, por cada estação do ano, e por cada “estação” de minha vida!

 

“Mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão.”            Isaías 40:31.


terça-feira, 29 de junho de 2021

Crônicas da quarentena...XII

             


        Já faz algum tempo que não escrevo as minhas crônicas da quarentena...

Tenho sentido um certo desânimo ao falar sobre o assunto, pois depois de 470 dias de quarentena -  ou 1 ano, 3 meses e 13 dias, as coisas não melhoraram!

Pelo contrário: apesar da chegada da vacina, temos nos deparado com mais mortes, e casos graves – justamente nos grupos mais jovens da população!

As semanas começam e terminam contabilizando mortes, e muitas vezes, de pessoas conhecidas.

Na semana passada, mal me recuperei do baque – ao saber da morte do sobrinho de uma vizinha - e já tomei conhecimento da morte de outro conhecido: um líder sindical (creio que mais jovem que eu), que conheço desde a época em que eu trabalhei no banco.

Essas duas mortes me deixaram chocada! Com aquela espécie de “nó no estômago", e um sentimento de impotência!         

Hoje estou aqui - escrevendo a minha decima segunda crônica da quarentena...

As fases mudam, de laranja para vermelha e vice versa, mas desde que tudo começou, está difícil uma melhora efetiva da situação!

A meu ver, a situação em que estamos se deve ao descaso das autoridades, na  condução da pandemia! O descaso, dos que deveriam ser os primeiros à dar exemplo aos demais!

E a população também não ajuda - as aglomerações continuam, aliadas à falta de consciência das pessoas, que ainda teimam em sair sem máscaras! Todo fim de semana, podemos ver nos noticiários,  o flagrante de festas clandestinas. Pessoas comemorando "sabe-se lá,  o quê"! Como se não houvesse amanhã...

A vacina chegou já há algum tempo. Eu e minha família, já estamos quase todos vacinados. Dou glórias a Deus por isso! E não vejo a hora da vacina ser aprovada, também, para as crianças!

No entanto, não conseguimos comemorar essas bênçãos plenamente, frente à tantas mortes que ocorrem todos os dias!

No sábado retrasado, o Brasil bateu a triste marca de mais de 500.000 mortos!

É muita tristeza... São muitas famílias sofrendo!

No início da pandemia, os mais suscetíveis eram os idosos. Porém, com o avanço da pandemia, e ao contrário do que alguns pensavam- ao invés de se atingir a "imunidade de rebanho" - o vírus foi sofrendo mutações, e se tornando cada vez mais forte e contagioso.

À cada dia, nos deparamos com novas cepas e variantes. E com as vidas - de uma população cada vez mais jovem - sendo ceifadas por essa doença!

Estamos vivendo tempos sombrios... Tempos de uma verdadeira “guerra”! E é preciso muita força e fé em Deus!

Lutamos não só contra o vírus – mas, lutamos à cada dia, para nos mantermos firmes, nos mantermos em pé - para não sucumbirmos ao desânimo, à tristeza e à depressão!

Eu me apego à Palavra de Deus, a Jesus – orando todos os dias para que essa pandemia tenha fim! E assim eu sigo, dia após dia...

 “Não fui eu que lhe ordenei? Seja forte e corajoso! Não se apavore, nem se desanime, pois o Senhor, o seu Deus, estará com você por onde você andar”                                                                      Josué 1.9                      

segunda-feira, 31 de maio de 2021

Serena...♡


A nossa "guerreirinha" partiu...😢

Mais de 16 anos de Amor...💖

Era ciumenta! Mas amou cada uma das crianças  aqui de casa!

Leal, companheira, valente! Nos deu muitos anos de alegria...💖 

Agora, a nossa Serena descansou...Saudades...💔🐶🐾

"Eles já nascem sabendo amar,  de uma maneira,  que nós levamos a vida inteira pra aprender!"❤💗

terça-feira, 25 de maio de 2021

E assim... Deus escreve outra linda história...❤

        Hoje, no dia Nacional da Adoção vou relembrar uma história muito linda, que Deus começou a escrever em 2017, num barco à caminho de Galinhos...

Há algumas semanas atrás, o Pedro entrou na cozinha e me pegou chorando, emocionada...  E me questionou o porquê!

Expliquei a ele, que aquele choro era de alegria... Que os nossos amigos lá de Natal tinham recebido a tão sonhada ligação da assistente social, e que logo eles iriam conhecer suas duas filhas!

Sim! Para a surpresa deles – eram duas irmãs! Receberam o telefonema, em plena pandemia!

Esses amigos, nós fizemos numa viagem para Natal. Num passeio de barco, à caminho da cidade de Galinhos. E resumindo a história, eles decidiram adotar, depois de nos conhecermos, de conhecerem o Pedro e o amor que existe entre a nossa família!

Esperaram por quatro anos...

Hoje, eles estão no período de aproximação com as meninas. Com a pandemia, está tudo muito lento, mas o processo está caminhando.

Esse amigo me escreveu logo que recebeu a ligação. Ele e a esposa já tinham visto as fotos das meninas. Mas estavam inseguros, temerosos de que elas pudessem não gostar deles. A mais velha tem 5 anos e a mais nova 1 ano e meio. Mas como acontece com tantas histórias de Amor que Deus escreve - no dia em que se encontraram por vídeo chamada, a mais velha já os chamou de papai e mamãe. E o Amor “brotou” ali, naquele encontro à distância...

Então veio a ansiedade pelo encontro presencial, que demorou um pouquinho para acontecer! Eu imagino como devem ter se sentido! 

Porém, depois de alguns dias, o encontro aconteceu. E foi  um encontro repleto de Amor. Amor represado por tantos anos de espera!  Por aqueles quatro longos anos em que esperaram por suas filhas... E enfim, elas estavam ali, à distância de um abraço, um colo, um cheiro, um beijo...

Hoje eles aguardam ansiosos, que elas logo possam ir para casa! O quartinho está preparado, com uma parede rosa – que segundo o meu amigo – ele quase pintou quando mudou...Mas não pintou,  era pra essa parede ser rosa! 😂

Naquele encontro, naquele dia lá no abrigo - nasceram um pai, uma mãe e duas filhas... A adoção é assim: famílias que nascem do Amor! É algo mágico, é de Deus...

E me sinto extremamente feliz: pois através da nossa história, que eu sempre contei e recontei com muito orgulho – um casal se sentiu seguro em se abrir para esse amor incondicional, que é a adoção!

E então, me lembrei de um comentário de um outro amigo:

“[...]Quando, num instante qualquer do futuro, alguém topar com seu trabalho e nele se inspirar à concretizar uma adoção - mesmo que isso aconteça uma única vez -, terá recuperado uma vida incerta para o caminho de uma família; e apenas por esta vez, todo seu trabalho terá valido a pena!”.

Eu amo ser Mãe do Coração, Amo escrever sobre Adoção e Amo conhecer histórias de Adoção! Histórias essas - singulares! Pois Deus escreve cada uma -  de uma maneira diferente. 

Porém, em todas elas, existe o Amor incondicional e pessoas  livres de amarras e preconceitos - dispostas à se entregar a um Amor sem reservas, e experimentar da bênção que é a Adoção!

Segue abaixo, a história que escrevi julho de 2018, onde conto como tudo começou:

 E assim, Deus está escrevendo uma outra história...❤  (30/07/2018) 

Estávamos em um barco à caminho da cidade de Galinhos/RN, quando o Pedro com seu jeito comunicativo -  já tinha feito amizade durante os passeios anteriores, com um casal e amiga deles.

E saiu logo falando e perguntando:

- Meu pai tem quarenta e três anos, minha mãe cinquenta e dois,  e eu tenho seis. Quantos anos vocês têm? 

Chamei a atenção dele - explicando que não se pergunta a idade das pessoas.

Porém, a nossa idade ele conta pra todo mundo! 😂

Então começou uma amizade que perdura até hoje!

E ela me perguntou toda animada:

- Nossa! Então você teve ele aos quarenta e seis anos? Como foi a gravidez?

Respondi-lhe que não tinha engravidado, pois ele é  nosso filho do coração...

Ela ficou toda animada e disse-me que estava tentando engravidar há mais de quinze anos. Que eles tinham assistido até à algumas palestras. Mas apesar de seu marido querer muito, ela ainda não estava segura da decisão.

E os dois me disseram que estavam encantados com jeitinho do Pedro!

Que queriam marcar em algum dos dias da viagem, um jantar em algum restaurante, para comermos juntos e conversarmos mais detalhadamente sobre a nossa história.

Passei o endereço do meu blog com a história da chegada do Pedro para que ela pudesse ler: Uma história de Amor escrita por Deus...

Uns dois dias depois, nos encontramos em uma churrascaria. Foi uma noite bem agradável!

E ela me disse que ao ler a história do Pedro e o fato de nos conhecer pessoalmente – porque até então, ela nunca tinha visto uma história de adoção, assim de perto - a deixou mais segura! E que iria pensar seriamente na decisão!

Ao voltarmos da viagem começamos a manter contato pelo Facebook e Whatsapp.

Há algum tempo atrás recebi a notícia de que eles iriam se inscrever no Fórum de sua cidade, dando início assim, ao processo de adoção.

Nossa! Como fiquei feliz por eles!!  E pelo filho(a) que vai chegar! Fiquei emocionada com a notícia! 

Eu amo falar sobre a nossa história!  Nunca quis que fosse um tabu. Falamos com nosso filho desde muito pequeninho...

Hoje ele tem sete anos e sabe que nasceu em nossos corações...

E fico muito feliz em saber que através da nossa história – incentivamos outros casais à adotar.

Alguns dias atrás me contaram que já iam passar pela entrevista com a psicóloga e assistente social! Mais uma boa notícia!

E o que eu desejo de coração a eles – é que Deus escreva uma linda história de Amor, como escreveu em nossas vidas!

Pode ser que em algum lugar seu filho(a) já os esteja esperando... 

E o desenrolar dessa história, me aquece o coração...

Felicidades meus amigos! 

Saibam que apesar da distância, vocês moram em nossos corações!

E o que realmente importa na chegada de um filho...é o Amor!  

“Não habitou meu ventre, mas mergulhou nas entranhas da minha alma. 

Não foi plasmado do meu sangue, mas alimenta-se no néctar de meus sonhos. Não é fruto de minha hereditariedade, mas moldar-se-á no valor de meu caráter. 
Se não nasceu de mim, certamente nasceu para mim”.

sábado, 8 de maio de 2021

Ser mãe...♥

Mãe de Barriga, Mãe de coração, Mãe de vida ou de consideração...

Mãe de “anjo”, que pra sempre será mãe... 

Mãe é Mãe, com os mesmos medos...Ansiedades...cuidados....

E principalmente com o mesmo amor ... incondicional e eterno!”  

Que Deus abençoe todas as Mães! E todas as Avós, também!

         Essa é compilação de alguns textos que escrevi há alguns anos atrás, sobre a emoção de ser Mãe!

E de lá pra cá - experimento também a emoção de ser Avó: que é uma outra espécie de Amor ... tão incondicional e grandioso quanto o Amor de Mãe!

...

Comecei a refletir nesses últimos dias: de todas as minhas realizações como mulher – para mim - creio que ser Mãe é a mais importante e sublime de todas!

É claro que além de ser mãe, desempenho muitos outros papéis!

Porém, de tudo que já fiz e realizei na vida - a maternidade é o que mais me completa, e o que mais me realiza como mulher!  

Quando me tornei mãe da minha filha mais velha, eu era muito nova: tinha apenas vinte anos. Nossa! Pela inexperiência e pouca idade, errei muito tentando acertar! Mas em meio a todos os meus erros e acertos, creio que fui e sou, uma boa mãe para a minha filha. 

Quando me tornei mãe do meu caçula -  ocorreu exatamente o contrário: tornei-me mãe na maturidade, com quarenta e seis anos. Com a idade, tornamo-nos mais sábias e pacientes. Às vezes tenho que me policiar para não ser permissiva demais.  Mãe na maturidade acaba se tornando uma espécie de “avó do próprio filho”!  Mas creio que apesar das minhas limitações, sou uma boa mãe para o meu filho também!

Ser Mãe é viver em um constante conflito de sentimentos:

Às vezes um Amor tão grande, verdadeiro e profundo que chega a doer no peito!

Noutras vezes, um esgotamento tão grande, que a vontade que se tem, é de fugir pra bem longe... Mas a vontade vem e vai com a mesma rapidez! Porque é só olharmos para aquelas criaturinhas arteiras - mas totalmente indefesas quando estão dormindo - e o nosso coração se derrete de tanto Amor!! 

         Ser Mãe é sentir a dor de cada vacina, de cada injeção. É ficar agoniada ao ver o filho(a) doente, com febre. E desejar estar ali, sofrendo no seu lugar!

Ser Mãe é estar sempre reclamando: que o filho(a) não para quieto! Que não aguenta mais tanta bagunça, tanta malcriação! Porém, quase no mesmo instante, dar graças a Deus por tudo isso -  pela saúde e vitalidade dos filhos e filha

         Ser Mãe é nunca mais ter sossego, e muitas e muitas vezes dizer:   

         - Ah! Não vejo a hora que esse(a) menino(a) cresça para não me dar mais trabalho!

Os filhos crescem, sim. Mas mãe que é mãe, nunca para de se preocupar... Mesmo que o filho(a) não dê mais “trabalho”!  

         Ser Mãe é viver em constante estado de contradição! Muitas vezes se sentir a pior mãe do mundo... Noutras vezes, a melhor!  Deve ser por isso que existe aquele ditado: “Ser mãe é padecer no paraíso”! 

Eu agradeço a Deus pelo privilégio de ser Mãe! E posso falar por experiência de causa, que qualquer mulher pode experimentar essa maravilhosa e bendita experiência!  

Sou mãe biológica e do coração.

Amo meus dois filhos com a mesma intensidade! Não existe diferença nenhuma no Amor que sinto por ambos!

E sabem por quê? Porque os filhos podem chegar de várias maneiras... Mas todos nascem no coração!    

A única coisa que é imprescindível ter, para ser Mãe... é Amor! É ter a capacidade de Amar e se entregar...

E é uma bênção que Deus concede a todas as mulheres!! Basta querer e se entregar incondicionalmente a esse Amor... 

          Amo vocês meus filhos: Natália e Pedro Olavo!

E sou uma pessoa melhor, pelo simples fato de ser mãe de vocês!