Bienal do Livro

Bienal do Livro

O que realmente importa...

Minha foto
São Paulo, Brazil
Cheguei ao final do ano de 2009 totalmente estressada e esgotada devido as preocupações do dia-a-dia, com trabalho, estudo, e etc. Na verdade, eu não tinha nenhum problema específico. Apenas, era pessoa ansiosa e preocupada demais com o dia de amanhã. Mas como está na palavra de Deus: "...basta a cada dia o seu mal". Eu precisei passar por um sofrimento muito grande, pra enxergar que na verdade, as minhas preocupações, as minhas ansiedades não mereciam as noites de sono mal dormidas, a depressão que estava querendo tomar conta de mim! Sem querer negligenciar todo resto, eu aprendi que nada nesta vida tem realmente importância, a não ser, a vida daqueles que amamos...estes sim, são o que realmente têm importância em nossa vida... Eu tenho uma filha e um marido maravilhosos, que eu Amo, e que são bençãos que Deus me deu! Eu tenho familiares maravilhosos que eu Amo muito... E tenho amigos maravilhosos que amo muito também...Enfim, tanto pra agradecer ao Senhor! Mas só depois que eu perdi a minha amada sobrinha Júlia, foi que tive a real dimensão da importância de todos eles em minha vida! Todos eles são o que realmente importa pra mim! Todo o restante é secundário...07/2010

Seguidores

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Vendo, vivendo e escrevendo...

Imagem extraída do Google
Na semana passada, eu estava voltando pra casa, caminhando apressada. Cansada... Como tenho  me sentido todo final de tarde. E ainda por cima, com uma baita enxaqueca.
Passou por mim, uma mulher de cabelos grisalhos, que me olhou curiosa. Se não me falha a memória, creio que lhe disse “boa tarde”: é o meu costume, quando alguém passa por mim, com um olhar  mais atento. Eu já ia descendo a rua, quando ela me chamou e me perguntou se era eu quem havia escrito aqueles dois livros?
Na hora, me lembrei de uma conversa que tive com minha vizinha de longa data, a Maria.
Outra dia, quando voltava do trabalho, paramos para conversar, e ela me disse que tinha uma amiga, que tinha lido meus dois livros (emprestados por outra amiga em comum). E que havia gostado tanto, que queria me conhecer. Ela mora na rua de cima de minha casa; e eu prometi, que quando tivesse um tempinho, passaria lá pra dar um “oi”! Pois bem, o destino adiantou um pouco o nosso encontro! 
Respondi-lhe que sim, que os livros eram meus. Então ela me disse que queria muito me conhecer pessoalmente. Que havia lido os dois livros, e que tinha gostado muito de tudo o que eu havia escrito! E por isso queria tanto me conhecer!
É claro que fiquei muito feliz! Foi um encontro gostoso e gratificante! Esse retorno por parte dos leitores faz toda a diferença para mim! É o que dá sentido à minha escrita!
Ouvir frases como: “O que você escreveu me tocou muito!”, ou “o que você escreveu, me ajudou a superar...”. Ou, “você consegue descrever o nosso dia a dia, as alegrias e as mazelas das pessoas!”  -  toca fundo a minha alma!
Vejo, que o que escrevo, de alguma maneira toca o coração das pessoas, e faz diferença na vida delas.
        E escrevo porque gosto! Escrevo porque preciso escrever! Porque a escrita já faz parte de mim - está entranhada em meu ser! Escrevo, porque muitas vezes desopila meu fígado, desafoga a minha alma!
           Apesar de ser uma pessoa alegre por natureza, nem sempre minha vida é um “mar de rosas”. Tenho minhas lutas e provações como qualquer ser humano.
Algumas vezes, posso até fazer uma analogia da minha vida com uma certa situação: aquela em que esticamos o plástico.  Ele estica, fica com uma estria de plástico mais fino, e se você puxar mais um pouco, aí ele arrebenta! Já me senti assim várias vezes ao longo de minha vida.
Quando vivo meus “vales”, a escrita me ajuda a superar. É como se eu falasse pra mim mesma: vá em frente, você pode, você consegue!
– Veja o quanto já passou, o quanto já superou, e o quanto já conquistou! 
E escrevendo, muitas vezes também, a minha vida passa como um filme:   tudo o que vivi até então... Coisas boas e ruins. Tantos erros... Mas tantos acertos também! E quanto tenho aprendido ao longo dos anos com tudo isso!
               Através de tudo que vivenciei e vivo, Deus vai me lapidando. Aparando minhas arestas. Mostrando-me, que mesmo em meio às lutas, as provações e aos “vales”, Ele sempre esteve comigo, sempre me sustentou e sempre me levantou!
          Escrevo também, sobre minhas alegrias! Sobre o Amor que sinto pela minha família! Amor tão grande, que transborda, extravasa, e que às vezes tenho que eternizá-lo, simplesmente escrevendo!
            Escrevo também, sobre minhas trapalhadas, minhas distrações.
Sobre histórias que observo ao longo da minha “caminhada”.
Histórias interessantes, de pessoas interessantes! Algumas cômicas, outras nem tanto. Mas todas, histórias de vida!
História de gente: gente comum, assim como eu. Que tem falhas, limitações. Porém, que está aí na batalha, lutando vencendo ou perdendo... Enfim, vivendo!
             E assim, vivo eu... Vendo, vivendo e  escrevendo...

domingo, 14 de agosto de 2016

Super heróis??

Super heróis??
Quem precisa da liga da justiça, vingadores, ou qualquer outro tipo de herói, quando se tem um bem pertinho?
Aqui em casa mora um! 
Esse herói é quem acorda cedinho, às vezes leva  nosso filho à escola e vai buscá-lo também!
Que no finalzinho da noite, o carrega  dormindo, todos os dias para a sua cama. E dá um beijo de boa noite e um Deus te abençoe!
Que brinca de bola, de pipa. E leva-o  pra andar de bicicleta: os dois, correndo, com os cabelos ao vento. Que aventura para o nosso "pequetito"!
Que o ensina a gostar e a cuidar dos animais! Cuidando os dois juntos, da Serena e dos peixinhos!
Que o ajuda com as tarefas da escola.
Que conta histórias na hora dele dormir...
Que também dá banho, e às vezes faz um topete desajeitado... Logo pedindo a ajuda da mamãe, aqui.
Que é o companheiro de todas as horas! Na hora de tomar café, assistir TV.      
De tirar o cochilo tão esperado, depois do almoço, aos finais de semana...
Que o leva à igreja todos os domingos, e o ensina a Amar a Deus, a Amar a Jesus!
Momentos simples e preciosos!
Neste Dia dos Pais, eu só quero desejar felicidades, saúde e muita Paz!
Que Deus o abençoe hoje e sempre!
Rogério: nosso filho acredita em super heróis, e pra ele,  você é o melhor deles!
           Amamos você!! 

terça-feira, 19 de julho de 2016

Meu pé de amora... E as suas lições...♥

Hoje, logo de manhãzinha, fui ao quintal, e mais uma vez olhei para a minha amoreira...
Esse pezinho de amora é uma espécie de presente que Deus me deu! 
Olhei pra ele -  mais uma vez -  admirada! Como o faço invariavelmente todos os anos... 
Na semana passada, quando o olhei, estava completamente pelado e sem folhas.
Hoje, ao olhar mais atentamente, percebi que ele está cheio de folhinhas novas e frutos brotando... Deixei de olhar para ele somente por alguns dias; e de repente, lá está ele novamente se refazendo. E nem terminou o inverno!
Esse pezinho de amora, plantado num vaso, já há vários anos, é um exemplo pra mim! Eu digo que é o meu xodó! J
Em vários momentos de minha vida, Deus  me ensinou e disciplinou, através dele!
É... Pode parecer esquisito para alguns, mas Deus me faz enxergar grandes lições, através deste pequenino pé de amora!
Nos últimos tempos, andei meio atribulada. Desanimada por problemas de saúde. Esgotada – física e emocionalmente. E pra piorar, perdi um amigo querido há alguns dias atrás.
De repente, a vida foi tomando um tom meio cinza... A desesperança começou a rondar meus pensamentos.
Nessas horas, não conseguimos enxergar as coisas objetivamente. E, pouco a pouco, a tristeza vai fazendo morada em nosso ser...
Quantas e quantas vezes em minha vida passei por esses “vales”? Quantas e quantas vezes, disse a mim mesma: - Que não aguentaria mais o cansaço, a pressão, as lutas?
Porém, em todas as vezes, Jesus me levantou! Deus ajudou-me a me reinventar. E a tentar de novo, e de  novo!
Essa semana, ao olhar admirada para o meu pezinho de amora, pude ver que ele se refez novamente! Desapercebidamente, ele tirou forças sabe-se lá de onde, e brotou em seus galhos já aparentemente secos - folhas novinhas! E frutificou em meio a todo aquele tempo desfavorável!
Lá está ele: brotando com folhas verdinhas e já com frutos crescendo.
E o  meu coração se alegrou...
A cada ano, quando vejo esse "milagre", o  meu coração se alegra, sim!
Para alguns pode parecer bobagem, mas eu vejo isso como um "milagre", todos os anos... 
Mais uma vez, pude enxergar que minha vida é semelhante a esse pé de amora: apesar das lutas, dos percalços, das tribulações, das dificuldades - Deus sempre me renova! E quando já estou quase sucumbindo à tristeza, faz-me enxergar seus milagres... E por inúmeras vezes,  com o exemplo  do meu pezinho de amora! J
Através de muitas outras coisas, que estão aí bem à nossa frente, mas que na maioria das vezes não enxergamos,  porque estamos focados,  vivendo nossos dias cinzentos!
E por Sua graça, volto a enxergar seus milagres e suas bênçãos:
- Através do amanhecer de um dia lindo, depois de um dia de chuva e tempestade!
- Através dos sorrisos dos meus filhos e dos meus netos...  Isso é Amor... E o Amor nos renova e nos fortalece!  
Então, toda a névoa se desfaz, os dias cinzentos vão embora. Enfim consigo enxergar novamente, todas as bênçãos com que Deus me presenteia todos os dias!
E que tenho sim - inúmeros motivos para sorrir!  Para florescer e frutificar em meio às lutas, as tempestades e aos “desertos” da vida! J

"Porque há esperança para a árvore que, se for cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus renovos. Se envelhecer na terra a sua raiz, e o seu tronco morrer no pó, ao cheiro das águas brotará, e dará ramos como planta nova". Jó 14:7-9

Links relacionados: 
http://adelisa-oquerealmenteimporta.blogspot.com.br/2013/10/assim-como-uma-amoreira.html
http://adelisa-oquerealmenteimporta.blogspot.com.br/2012/10/a-prazer-de-se-comer-uma-fruta-no-pe.html

terça-feira, 28 de junho de 2016

Para meu netinho Davi... ♥


Ele chegou de repente! Sem que ninguém estivesse esperando...
Contra todas as chances, foi crescendo, crescendo e se tornando cada dia mais forte.
Tal como o  pequenino Davi enfrentou o Golias e venceu, ele também travou sua batalha e venceu!
Passou incólume por uma cirurgia de apendicite, enfrentou os anestésicos, os medicamentos, e as dores da mamãe. Quietinho... Ninguém sabia que ele já estava lá...
E o tempo passou, a mamãe se recuperou,  e de repente começaram as tonturas e vertigens. Ela, sem saber de nada ainda, pediu para vovó levá-la à farmácia pra medir sua glicemia, que talvez pudesse estar alterada.
O exame foi feito, mas a farmacêutica deu logo o veredito: aqueles sintomas eram de gravidez! Mamãe ficou atônita: "Mas como? Impossível! Não posso estar grávida, acabei de sofrer uma cirurgia de apendicite!!”.
E junto com a perplexidade, veio a preocupação: afinal de contas, durante toda a cirurgia -  ele já estava lá, passando por tudo -  junto com a mamãe!
Então consultas e exames foram marcados. Será que estaria tudo bem com o bebê? Um misto de alegria e apreensão tomou conta de todos!
Ultrassons, baterias de exames foram feitos pra saber se estava tudo em ordem.
E pra agravar ainda mais a apreensão de todos, tinha a epidemia de Zika pra deixar a mamãe mais nervosa ainda! Mas  os meses foram se passando na mais perfeita paz, com a graça de Deus. A gravidez foi transcorrendo tranquila. 
Quase no finalzinho, mamãe não passou muito bem, pois pegou uma gripe forte, e uma tosse que não a deixava em paz! E ele lá, quietinho... Se mexia de vez em quando, apesar de toda a turbulência que se encontrava lá fora... E então... no dia certinho, no dia preparado por Deus, ele chegou!
E chegou corajoso, pois a coragem sempre foi a sua marca desde o início.
Esse ser tão pequenino nos deu uma lição de resistência!
Creio que você veio, para nos ensinar a resistir, a ter fé  e perseverança diante das intempéries da vida. Enfrentou logo no início a sua batalha, e chegou até aqui: forte, pra gritar a plenos pulmões a sua chegada!
Que Deus lhe dê muita saúde, paz, alegrias, e muitos anos de vida. E que sua vida seja cheia de realizações, meu netinho lindo!
Sempre que tentei imaginar como você era - antes de você chegar - vinha-me à mente, uma criança serena, abençoada...
E assim espero que seja a sua vida sempre!
Te Amo, meu lindo e corajoso netinho Davi...             

“Eu te louvarei, porque de um modo tão admirável e maravilhoso fui formado; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem.
...
Os teus olhos viram a minha substância ainda informe, e no teu livro foram escritos os dias, sim, todos os dias que foram ordenados para mim, quando ainda não havia nem um deles.
E quão preciosos me são, ó Deus, os teus pensamentos! Quão grande é a soma deles!”                      


 Salmo 139

P.s.: e ele chegou de presente, no dia do aniversário da Mamãe! ♥

terça-feira, 21 de junho de 2016

A calça rasgada... ☺

Na semana passada vivi o "mico" do Ano!
Ou, melhor, como lembraram meus colegas: estamos apenas no meio do ano, ainda tem muito tempo aparecer mais algum... 
Só que desta vez, não tive culpa nenhuma. Não foi por conta de minhas distrações, ou trapalhadas que passei por tal situação...
Como faço invariavelmente todos os dias, fui trabalhar de ônibus. Como o tempo estava frio, vesti uma calça jeans (que havia comprado em maio), uma blusa de frio e uma jaqueta.
Encontrei um colega meu dentro do ônibus, mas ele desce um ponto antes que eu. Ao descer do ônibus, vim conversando com uma aprendiz que trabalha no mesmo prédio que eu. Fomos conversando lado a lado, e ela certamente não percebeu nada.
A única coisa diferente que senti ao descer do ônibus foi que talvez minha calça tivesse laceado um pouco. Mas isso é comum, em se tratando de certos tipos de jeans.
Cheguei à agência, arrumei minha mesa, para logo começar o atendimento.
Antes que abrisse, resolvi ir ao banheiro. Quando estava saindo, a vigilante que trabalha na agência me chamou aflita! Eu olhei para trás, e ela ainda aflita, apontava para minha calça. Mesmo sem entender o que estava acontecendo, voltei.
Foi quando ela me disse que minha calça estava rasgada atrás.
Eu então passei a mão no local, para ver onde estava o rasgo (achando que era um rasguinho de nada...).
Quando apalpei foi que me dei conta do tamanho do buraco que se abriu na minha calça. Eu estava literalmente com o lado direito traseiro da minha calça praticamente aberto! Imagine a situação da criatura?!  Meu Deus - pensei eu na hora - e se mais alguém viu?!
Agradeci  a ela, por me avisar. Se não fosse ela, o que seria de mim? Que vexame!!
Meu colega pediu pra ver o rasgo, achando que fosse pequeno. Eu disse que de jeito nenhum eu iria mostrar, pois o rasgo era enorme!
A primeira coisa que fiz, foi amarrar uma jaqueta vermelha de couro que eu estava vestindo, na cintura.
Aí, eu e meus colegas ficamos conjecturando quando o bendito buraco se abriu: será que eu havia enroscado a calça em algum objeto pontiagudo no ônibus, e o buraco aumentou quando sentei em minha cadeira ao chegar?
Não seria possível que eu não tivesse percebido um baita buraco daquele aberto na parte de trás da minha calça! Eu sentiria um ventinho frio entrando... 
Resolvi tomar uma providência: como meu marido entraria mais tarde no serviço para trabalhar, pedi que ele me trouxesse outra calça pra eu trocar, e poder trabalhar o restante do dia.
Ele veio até que rápido: em meia hora trouxe-me outra calça e foi a minha salvação! Quando viu o buraco, se assustou e caiu na risada, sem acreditar no que estava vendo!
Então, corri ao banheiro, e troquei de calça. Quando pude ver frente a frente o buraco que se abriu ao lado de um dos bolsos da calça, não acreditei: era enorme mesmo! Tive o cuidado de medir, e tinha mais de 22 cm... Todos ficaram espantados!
E aí, todo mundo começou a tirar o maior sarro: eu, uma mãe e vovó de família, andando com o bumbum de fora por aí... Ou, imagine se alguém tivesse visto, batido uma foto com o celular, e quando eu chegasse em casa, a foto já estivesse "bombando" no facebook?!  Que horror!!
Nossa! No trajeto que eu fiz até a agência, muita gente pode ter visto... Ou não. Prefiro imaginar que não!
Agora eu estou mais preocupada é em descobrir como um rombo desses se abriu na minha calça - em uma calça nova!
O jeans é daquele clarinho, amaciado. Será que amaciaram tanto a traseira da calça, que o rombo se abriu do nada?
O que sei, é que voltarei à loja pra reclamar! Onde já se viu, ter que passar por um constrangimento desses! 
E como disse meu colega, aproveitando o momento político que vivemos: com um rombo tão grande na calça, que maior que ele, só o rombo da lava- jato! ☺☺

P.s.: a foto que ilustra o texto é da calça rasgada. O pano colorido ao fundo foi colocado pra salientar o tamanho do rasgo  
 

A calça rasgada... ☺

Na semana passada vivi o "mico" do Ano!
Ou, melhor, como lembraram meus colegas: estamos apenas no meio do ano, ainda tem muito tempo aparecer mais algum... 
Só que desta vez, não tive culpa nenhuma. Não foi por conta de minhas distrações, ou trapalhadas que passei por tal situação...
Como faço invariavelmente todos os dias, fui trabalhar de ônibus. Como o tempo estava frio, vesti uma calça jeans (que havia comprado em maio), uma blusa de frio e uma jaqueta.
Encontrei um colega meu dentro do ônibus, mas ele desce um ponto antes que eu. Ao descer do ônibus, vim conversando com uma aprendiz que trabalha no mesmo prédio que eu. Fomos conversando lado a lado, e ela certamente não percebeu nada.
A única coisa diferente que senti ao descer do ônibus foi que talvez minha calça tivesse laceado um pouco. Mas isso é comum, em se tratando de certos tipos de jeans.
Cheguei à agência, arrumei minha mesa, para logo começar o atendimento.
Antes que abrisse, resolvi ir ao banheiro. Quando estava saindo, a vigilante que trabalha na agência me chamou aflita! Eu olhei para trás, e ela ainda aflita, apontava para minha calça. Mesmo sem entender o que estava acontecendo, voltei.
Foi quando ela me disse que minha calça estava rasgada atrás.
Eu então passei a mão no local, para ver onde estava o rasgo (achando que era um rasguinho de nada...).
Quando apalpei foi que me dei conta do tamanho do buraco que se abriu na minha calça. Eu estava literalmente com o lado direito traseiro da minha calça praticamente aberto! Imagine a situação da criatura?!  Meu Deus - pensei eu na hora - e se mais alguém viu?!
Agradeci  a ela, por me avisar. Se não fosse ela, o que seria de mim? Que vexame!!
Meu colega pediu pra ver o rasgo, achando que fosse pequeno. Eu disse que de jeito nenhum eu iria mostrar, pois o rasgo era enorme!
A primeira coisa que fiz, foi amarrar uma jaqueta vermelha de couro que eu estava vestindo, na cintura.
Aí, eu e meus colegas ficamos conjecturando quando o bendito buraco se abriu: será que eu havia enroscado a calça em algum objeto pontiagudo no ônibus, e o buraco aumentou quando sentei em minha cadeira ao chegar?
Não seria possível que eu não tivesse percebido um baita buraco daquele aberto na parte de trás da minha calça! Eu sentiria um ventinho frio entrando... 
Resolvi tomar uma providência: como meu marido entraria mais tarde no serviço para trabalhar, pedi que ele me trouxesse outra calça pra eu trocar, e poder trabalhar o restante do dia.
Ele veio até que rápido: em meia hora trouxe-me outra calça e foi a minha salvação! Quando viu o buraco, se assustou e caiu na risada, sem acreditar no que estava vendo!
Então, corri ao banheiro, e troquei de calça. Quando pude ver frente a frente o buraco que se abriu ao lado de um dos bolsos da calça, não acreditei: era enorme mesmo! Tive o cuidado de medir, e tinha mais de 22 cm... Todos ficaram espantados!
E aí, todo mundo começou a tirar o maior sarro: eu, uma mãe e vovó de família, andando com o bumbum de fora por aí... Ou, imagine se alguém tivesse visto, batido uma foto com o celular, e quando eu chegasse em casa, a foto já estivesse "bombando" no facebook?!  Que horror!!
Nossa! No trajeto que eu fiz até a agência, muita gente pode ter visto... Ou não. Prefiro imaginar que não!
Agora eu estou mais preocupada é em descobrir como um rombo desses se abriu na minha calça - em uma calça nova!
O jeans é daquele clarinho, amaciado. Será que amaciaram tanto a traseira da calça, que o rombo se abriu do nada?
O que sei, é que voltarei à loja pra reclamar! Onde já se viu, ter que passar por um constrangimento desses! 
E como disse meu colega, aproveitando o momento político que vivemos: com um rombo tão grande na calça, que maior que ele, só o rombo da lava- jato! ☺☺

P.s.: a foto que ilustra o texto é da calça rasgada. O pano colorido ao fundo foi colocado pra salientar o tamanho do rasgo  
 

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Coisas do Pedrinho...♥


            "- Anda logo, criatura! - Vai, meu fio! - Ai, que nervo!"
Essa foi a fala do Pedrinho, outro dia no trânsito... 
Foi aí que me dei conta que tenho que me policiar quanto ao que eu falo, quando estiver com ele! Sem que eu perceba, ele presta a atenção, e repete tudo o que eu digo...
Fiquei de certa maneira, envergonhada... E ao mesmo tempo, achei engraçado ele falar daquela maneira... Tive que segurar o riso! 
O que ocorre é que todo santo dia, eu tenho que dirigir na hora do rush pra ir buscá-lo na escola. E como eu não gosto muito de dirigir - e também sou um pouco impaciente -, sempre fico falando sozinha dentro do carro.
Isto é... Achava que estava falando sozinha... 
Esqueci-me que tenho uma "esponjinha" junto comigo. E que capta tudo: para o bem ou para o mal! Então expliquei a ele que é feio falar assim, e que a mamãe não iria mais falar desse jeito... Que vergonha! 
...
O engraçado é que até o começo do ano passado, ele pouco falava. Tanto, que tive que levá-lo a uma fonoaudióloga por um tempo. Mas nem foi preciso muito tempo de tratamento, porque quando disparou a falar, não parou mais! E ele sai com cada uma!
...
Numa noite dessas, estávamos eu e ele assistindo à TV, e então durante a trama, ele viu um casal se beijando. Olhou com uma carinha engraçada e  me perguntou por que eles estavam fazendo aquilo. Expliquei-lhe que quando um casal está namorando ou é casado, se beijam. 
Então ele olhou pra mim e me perguntou:
- Mamãe você casou com o papai?   - Sim...
- Vocês beijam na boca?  - Sim... 
- Eca! Que nojo... 
Num outro dia estávamos conversando a caminho de casa, e de repente ele  perguntou se os tios e as tias dele se beijavam. Eu disse que sim. Então ele me olhou surpreso, e fez uma expressão de espanto com a boquinha aberta: Ahn!!!
Novamente lhe expliquei que os titios e as titias se beijam, assim como a Tata e o Tato, e que todos são casados! E que  quando ele crescer, arranjar uma namorada e se casar, também vai beijar a sua mulher! Espero que ele tenha entendido... Pois ficou bem encucado com esse papo de beijo! 
...
Um dia desses estava esperando ele sair da escola, quando ele veio em minha direção com cara de bravo!  Já chegou dizendo que um tal de "Mardinho" (foi esse o nome que consegui entender...) havia dado um soco em suas costas. Por coincidência, o pai do menino estava logo atrás de mim, e todo sem graça, me pediu desculpas pela malcriação do filho. 
Consolei o Pedrinho e lhe disse que o menino não iria fazer mais aquilo, e o pai do menino lhe disse também. Logo depois, saiu o tal do "Mardinho"...
Ele não ficou muito conformado, não... Entrou no carro bravo, e quando fui colocar o cinto nele, me pediu muito enfático que abrisse o vidro do lado dele, porque queria ver o que o pai do Mardinho ia falar pra ele (queria se certificar que o menino iria levar uma bronca! J).
Achei graça, e quando ia abrir o vidro, o menino, orientado pelo pai, veio em nossa direção meio sem jeito e pediu desculpas ao Pedro. Ele ainda emburrado não quis responder, mas falei a ele que deveria desculpar o amiguinho. Então fizeram "as pazes" meio que a contragosto.
A caminho de casa, ele ainda estava indignado com o tal de Mardinho! Ficava me dizendo, que ele iria bater no menino! Disse a ele, que se o tal do Mardinho batesse nele, era pra ele contar para a professora, e não revidar, batendo no menino também.
Para minha surpresa, ele me falou todo indignado: - Se o Mardinho me bater, eu dou na cara dele!! ...E de chinelo!!
Nessa hora, segurei o riso, e chamei sua atenção. O engraçado é que ele tinha ido para  a escola justamente com o chinelo de dedo dos "Vingadores"... 
...
Outra coisa que acho engraçada no jeitinho dele é o seu modo de se comportar diariamente. Tudo tem que seguir uma rotina. E totalmente cronometrada!
Ele chega da escola, vai tomar banho. Antes tira os sapatos, e pula em minha cama como se estivesse num pula-pula. Todo dia leva bronca ao fazer isso! J
Depois do banho, vai brincar um pouco no computador com joguinhos. Coloco meia hora no cronômetro. Quando toca, ele sai imediatamente! Mas ai, se não tocar! Aí, não há quem o faça entender que tem que parar de jogar! Ele ficou condicionado! 
Depois janta, pede suco, um docinho (bolo, chocolate).  Todo dia tem que ter...
A seguir, ou jogamos algum joguinho, ou assistimos juntos à televisão, abraçadinhos, até ele dormir...
E assim é a nossa rotina... Aliás, rotina não!
Porque cada dia com o Pedrinho, sempre tem novidade, sempre tem novas histórias, e  existe sempre um motivo novo para sorrir...

Como um cãozinho ao sol...

Imagem extraída do Google
Nossa! Hoje amanheceu um dia frio de doer! A cada inverno, é um sacrifício pra mim, ter que levantar da cama!
Comecei a me lembrar, das minhas divagações na última sexta-feira. Estava no trabalho, e onde fico não existem janelas. Na agência em que trabalho, não consigo avistar como está o tempo. Mas naquele dia, ao sair para ir ao banheiro, pude avistar pela janela do prédio que o dia estava ensolarado.
Um daqueles dias com sol brilhante, típico de se ver, depois de muitos dias de chuva.
A vontade que tive, foi de sair lá fora, me estirar em algum gramado e ficar me aquecendo ao sol...  Como fazem todos os cachorrinhos, quando tomam sol e ficam de barriga pra cima! J
Que delícia ficar ao sol, num dia frio... Não só o corpo é aquecido, mas a alma, o espírito! A sensação de bem estar é imensa! Pelo menos pra mim...
Sem contar, que não posso ver um dia ensolarado, que já me bate aquela vontade louca de lavar roupas!
Que me desculpem as feministas de plantão, mas a vontade é mais forte que eu! Já fico imaginando as roupas no varal, com aquele cheirinho de amaciante, secando leves e soltas com a brisa e o sol...
A bem da verdade, não sou muito "amiga" do inverno. Não gosto dos dias  frios. Sinto-me desanimada, preguiçosa...
Sempre brinco que queria ser como os pássaros, que migram no inverno para um lugar quente!  Que delícia, seria... J
Ou então, lembro-me da história da avó de um coordenador que tive na época em que trabalhei na prefeitura: ele nos contava que ela era portuguesa. E todo inverno, ela deixava Portugal, e vinha passar os meses de frio por lá, aqui. Quando o clima voltava a ficar ameno, lá ia ela pra Portugal novamente. Mas isso é pra quem pode: tanto naquela época, quanto nos dias de hoje... E não pra quem quer! J
Então vamos aguentando a temporada de frio por aqui mesmo... Às vezes me rebelando um pouco, com minhas reclamações ao levantar, ao tomar banho... Noutras, me aliando a ele.
Como diz o ditado: “quando não se pode com o ‘inimigo’, melhor se aliar a ele”.
Então dá-lhe chá de gengibre, pipoca quentinha, bolinho de chuva, chocolate quente pra esquentar! Um cobertor e um filme pra assistir com a família. E assim vamos levando...
Todas as estações são criações de Deus. Portanto, eu agradeço a Deus pelo inverno também... Pelo cobertor e pelo sol brilhante e quentinho que me aquece nesses dias... 

sábado, 7 de maio de 2016

A Maternidade...Ah! A maternidade... ♥

E o dia das Mães se aproxima...
Comecei a refletir nesses últimos dias: de todas as minhas realizações como mulher – pra mim - creio que ser Mãe é a mais importante  e sublime de todas!
É claro que além de ser mãe, desempenho muitos outros papéis: sou esposa, avó, filha, sogra, tia, nora, cunhada. Tenho meu trabalho, já fui estudante, sou dona de casa, sou blogueira, escritora, e por aí vai...
Porém, de tudo que já fiz e realizei na vida - a maternidade é o que mais me completa e o que mais me realiza como mulher!
Quando me tornei mãe da minha filha mais velha, eu era muito nova: tinha apenas vinte anos. Nossa! Pela inexperiência e pouca idade, errei muito tentando acertar! Mas em meio a todos os meus erros e acertos, creio que fui e sou, uma boa mãe para a minha filha.
Quando me tornei mãe do meu caçula ocorreu exatamente o contrário: tornei-me mãe na maturidade, com quarenta e seis anos.  Com a idade, tornamo-nos mais sábias e pacientes. Às vezes tenho que me policiar para não ser permissiva demais.  Mãe na maturidade acaba se tornando uma espécie de avó do próprio filho!  Mas que creio que apesar das minhas limitações, sou uma boa mãe para o meu filho também.
Ser Mãe é viver em um constante conflito de sentimentos:
- Às vezes um Amor tão grande, verdadeiro e profundo que chega a doer no peito!
- Noutras vezes, um esgotamento tão grande, que a vontade que se tem, é de fugir pra bem longe... Mas a vontade vem e vai com a mesma rapidez! Porque é só olharmos para aquelas criaturinhas arteiras - mas totalmente indefesas quando estão dormindo - e o nosso coração se derrete de tanto Amor!!
Ser Mãe é sentir a dor de cada vacina, de cada injeção. É ficar agoniada ao ver o filho(a) doente, com febre. E desejar estar ali, sofrendo no seu lugar!
Ser Mãe é estar sempre reclamando: que o filho(a) não para quieto. Que não aguenta mais tanta bagunça, tanta malcriação! Porém, quase  no mesmo instante, dar graças a Deus por tudo isso -  pela saúde e vitalidade dos filhos e filhas!
Ser Mãe é nunca mais ter sossego, e muitas e muitas vezes dizer:   - Ah! Não vejo a hora que esse(a) menino(a) cresça para não me dar mais trabalho!
Os filhos crescem, sim. Mas mãe que é mãe, nunca para de se preocupar... Mesmo que o filho(a) não dê mais “trabalho”!J
Ser Mãe é viver em constante estado de contradição! Muitas vezes se sentir a pior mãe do mundo. Noutras vezes, a melhor! J
Deve ser por isso que existe aquele ditado: “Ser mãe é padecer no paraíso”!
Eu agradeço a Deus pelo privilégio de ser Mãe! Sou o exemplo vivo, de que qualquer mulher pode experimentar essa maravilhosa e bendita experiência! 
Sou mãe biológica e do coração! Amo meus dois filhos com a mesma intensidade! E posso falar por experiência de causa, que não existe diferença nenhuma no Amor que sinto por ambos.
E sabem por quê? Porque um filho nasce primeiramente em nossa alma, nasce lá no âmago do nosso ser! Independentemente de ter sido gerado no ventre ou no coração...
Os filhos nascem de várias maneiras, como eu mesma disse certa vez!
A única coisa que é imprescindível ter para ser Mãe... é Amor! É ter a capacidade de Amar e se entregar...
E é uma bênção que Deus concede a todas as mulheres!! Basta querer e se entregar incondicionalmente  a esse Amor...
Amo vocês meus filhos: Natália e Pedro Olavo!
E sou uma pessoa melhor, pelo simples fato de ser mãe de vocês!

terça-feira, 3 de maio de 2016

A cada amanhecer... ♥

Imagem extraída do Google
Na semana passada, comecei a explorar meu blog, e a reler alguns textos antigos.
É tão engraçado! Em alguns textos, senti como se fosse outra pessoa que tivesse vivido tudo aquilo! De alguns acontecimentos, eu já nem me lembrava mais...
Não sei se isso ocorre com todos que escrevem. Mas é curioso: ler o seu próprio texto, lembrar-se de alguns fatos ocorridos; e sentir como se tudo aquilo tivesse se passado com outra pessoa! 
Creio que esse tipo de sentimento deve se passar com a maioria dos cronistas.
Num dos textos que eu li, um leitor comentou que tenho uma visão perspicaz do mundo. Na maioria das vezes, tenho sim! Observo muito e amo conhecer a história das pessoas!
O engraçado, é que ao pensar sobre tudo aquilo que aconteceu no passado - e que registrei com tantos detalhes -, talvez se tivesse ocorrido hoje, poderia ter me passado despercebido. Depende muito do momento que estou vivendo. Às vezes estou inspirada, noutras vezes, não.
As histórias vêm para mim como um flash! De repente é como se acendesse uma luz, e então as ideias vêm com facilidade.
Ao reler o que escrevo, sempre me dou conta de como o tempo passou!
De como minha vida passa e muda. Às vezes para melhor, às vezes para pior...
Algumas vezes encaro os percalços com serenidade. Em outras, nem tanto...
Sou humana, e às vezes a "carga" me parece pesada demais para suportar!
Porém, apesar de tudo e acima de tudo - Deus sempre me amparou e fortaleceu durante toda a minha caminhada. Então sigo em frente!
O  lado bom de rever e reler minhas próprias histórias - é que posso ver o quanto já superei, o quanto já caminhei. O quanto já sofri, mas o quanto também fui, e sou feliz nessa vida!
Gosto sempre de pensar na vida, se renovando como um amanhecer!
Com o  nascer do sol: toda manhã Deus nos presenteia com uma nova chance!
E esperança nasce e renasce dentro de nós, a cada vez que o sol aponta no horizonte...
Comecei este texto na semana passada. No entanto não consegui terminar, por falta de tempo...
E aproveitando o Dia Internacional do Sol, publico hoje!
Agradeço a Deus mais uma vez... Pelo Sol que me aquece!!
E pela esperança e força - que se renovam dentro de mim a cada manhã...