O que realmente importa...

Minha foto
São Paulo, Brazil
Cheguei ao final do ano de 2009 totalmente estressada e esgotada devido as preocupações do dia-a-dia, com trabalho, estudo, e etc. Na verdade, eu não tinha nenhum problema específico. Apenas, era pessoa ansiosa e preocupada demais com o dia de amanhã. Mas como está na palavra de Deus: "...basta a cada dia o seu mal". Eu precisei passar por um sofrimento muito grande, pra enxergar que na verdade, as minhas preocupações, as minhas ansiedades não mereciam as noites de sono mal dormidas, a depressão que estava querendo tomar conta de mim! Sem querer negligenciar todo resto, eu aprendi que nada nesta vida tem realmente importância, a não ser, a vida daqueles que amamos...estes sim, são o que realmente têm importância em nossa vida... Eu tenho uma filha e um marido maravilhosos, que eu Amo, e que são bençãos que Deus me deu! Eu tenho familiares maravilhosos que eu Amo muito... E tenho amigos maravilhosos que amo muito também...Enfim, tanto pra agradecer ao Senhor! Mas só depois que eu perdi a minha amada sobrinha Júlia, foi que tive a real dimensão da importância de todos eles em minha vida! Todos eles são o que realmente importa pra mim! Todo o restante é secundário...07/2010

Seguidores

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Infância...❤

Ontem, ao ver tantas fotos de crianças - e fotografias antigas -, lembrei-me da minha infância com saudades...
Lembrei-me do tempo em que minhas maiores preocupações eram com as notas do boletim da escola, ou com a lição de férias, que eu sempre deixava pra fazer na última hora! 😄
Lembrei-me com saudades das brincadeiras com os meus irmãos e com as crianças da rua...
Época em que éramos inocentes, e que nós meninas - brincávamos de boneca até os quatorze anos... Pelo menos, eu brinquei! 😄
Lembrei-me dos meus livros de contos de fadas, que eu lia, e vivia tudo nitidamente! E nas histórias que eu lia, eu sempre era a heroína!  
E como minha imaginação era fértil! Eu viajava naquelas histórias!
Lembro-me também, que eu inventava histórias mirabolantes para meus irmãos mais novos, e minha amiga Sofia! 
Deixava presentinhos escondidos, e lhes dizia que tinha sido um certo coelho que havia deixado! Se não me falha a memória, o nome, era Gimba. E elas, mais novas, em sua inocência, acreditavam em tudo!
Naquela época, como hoje, já se falava em fim de mundo.  Eu, com medo de ficar sem comida -  caso o mundo acabasse mesmo - estoquei leite em pó, Nescau, acho que algumas bolachas, e as goiabas do quintal lá de casa.
Escondi tudo numa caixa, e guardei em cima do telhado de um “puxadinho” que tinha no quintal.
Resumo: o mundo não acabou, e as goiabas acabaram apodrecendo, e estragando tudo!  😆
Ontem ao tomar o café da tarde, meu marido ensinou nosso filho a molhar o pão no café com leite. E ele adorou!
Então me lembrei das minhas “sopinhas” de pão ou bolacha, com café com leite. Em que eu picava tudo dentro do copo, e comia com a colher... Que delícia! Já havia me esquecido de como era gostoso!
Dos bolinhos de chuva, nas tardes de chuva... Dos bolinhos de arroz com cebolinha e orégano,  que a minha mãe fazia quando éramos crianças... E que eu adorava!
Hoje, sempre que posso, faço bolos e guloseimas para a criançada aqui de casa: meu filho mais novo e meus dois netinhos! E bolinhos de chuva, também!
Qualquer dia desses, preciso fazer também os bolinhos de arroz... Que tem aquele gostinho especial, que me remete à minha infãncia!
E ainda que os anos tenham se passado, e a criança que eu fui tenha ficado lá atrás -  em minha lembrança e minhas memórias -  eu revivo um pouco daquela alegria, ao olhar para o meu filho e para os meus netos!
Eu volto à ser criança, ao ver suas brincadeiras, suas “tiradas” engraçadas... Ao ver seus olhinhos brilhantes, ao ganhar o presente tão esperado!
Ao vê-los acreditar em sua inocência -  nas mesmas histórias que eu também, um dia acreditei!
Ao ver o amor refletido em seus olhinhos, desde tão pequeninos... 
E nesses momentos esqueço completamente, dos problemas e as preocupações que a vida adulta nos traz... E volto a ser aquela menina inocente e sonhadora que outrora, um dia eu fui...
As crianças deixam os nossos dias mais brilhantes, leves e felizes! Nos trazem esperança com seus sorrisos...
São presentes preciosos de Deus!

"Como são belos os dias
Do despontar da existência!
— Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é — lago sereno,
O céu — um manto azulado,
O mundo — um sonho dourado,
A vida — um hino d'amor!”.
                                                                                               Meus oito anos - Casemiro de Abreu

4 comentários:

  1. Também viajei agora! Ter uma infância feliz é um privilégio. Gracas a Deus fomos abençoadas!!!

    ResponderExcluir
  2. Ser mãe é reviver a infância junto com nossos filhos. Realmente muito lindo. Ainda temos aquela criança dentro de nós, a diferença é que nossos sonhos mudaram. Não sonhamos mais para nós é sim para nossas crianças.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Sofia H. C. Fracalossi14 de outubro de 2017 17:55

    Histórias narradas pela escritora Adelisa Maria Albergaria Pereira da Silva, me deixa ligada/animada/antenada ao nosso cotidiano pq nos remetem ao dia a dia de cada um de nós, no qual não percebemos e lendo, quase sempre, nos incluimos lembrando nos de algo semelhante que nos submetemos nesta vida diária e em algumas vezes ao passado trazendo lembranças inesquecíveis...Através destas lembranças devemos agradecer ao Senhor Jesus pelas maravilhas propostas no decorrer de nossa existência!!!

    ResponderExcluir

Olá! Seu comentário me deixa muito feliz! Responderei assim que possível em seu blog ou e-mail.