O que realmente importa...

Minha foto
São Paulo, Brazil
Cheguei ao final do ano de 2009 totalmente estressada e esgotada devido as preocupações do dia-a-dia, com trabalho, estudo, e etc. Na verdade, eu não tinha nenhum problema específico. Apenas, era pessoa ansiosa e preocupada demais com o dia de amanhã. Mas como está na palavra de Deus: "...basta a cada dia o seu mal". Eu precisei passar por um sofrimento muito grande, pra enxergar que na verdade, as minhas preocupações, as minhas ansiedades não mereciam as noites de sono mal dormidas, a depressão que estava querendo tomar conta de mim! Sem querer negligenciar todo resto, eu aprendi que nada nesta vida tem realmente importância, a não ser, a vida daqueles que amamos...estes sim, são o que realmente têm importância em nossa vida... Eu tenho uma filha e um marido maravilhosos, que eu Amo, e que são bençãos que Deus me deu! Eu tenho familiares maravilhosos que eu Amo muito... E tenho amigos maravilhosos que amo muito também...Enfim, tanto pra agradecer ao Senhor! Mas só depois que eu perdi a minha amada sobrinha Júlia, foi que tive a real dimensão da importância de todos eles em minha vida! Todos eles são o que realmente importa pra mim! Todo o restante é secundário...07/2010

Seguidores

sexta-feira, 28 de março de 2014

Uma história de amor escrita por Deus...♥


No mês de março, no dia 22 é comemorado o Dia Mundial da Água, mas para mim, esse dia tem um significado pra lá de especial!
Nesse dia, Deus começou a escrever uma linda história de amor em minha vida....♥
Lembro-me como se fosse hoje: eu fui de manhãzinha com o aprendiz que trabalhava comigo na época, em um evento do dia Mundial da Água. Fazia parte de um compromisso que tinha (como membro de um grupo que participava) em meu trabalho. O evento foi de manhã, e na parte da tarde tive meu dia abonado.
Eu e meu marido já estávamos na fila de adoção há mais de dois anos e meio, esperando uma criança (um menino). Mas o tempo passava, e nada da criança aparecer. Ficávamos cada dia mais ansiosos!
Então, na semana anterior tivemos uma conversa e decidimos mudar a idade da criança para até cinco anos. Acreditávamos que seria mais fácil de aparecer. 
Pois exatamente naquele dia mundial da água, após voltar do evento, decidi ir ao Fórum conversar com a Assistente social para fazer a mudança em nosso cadastro.
Quando cheguei e comentei com ela que estava ansiosa pois a demora estava muito grande, ela me disse que era assim mesmo. Que tivéssemos mais paciência, pois seríamos os próximos da longa fila de espera... E mudou a idade da criança como pedi. Isso foi numa segunda-feira.
Na quinta, trabalhei a tarde toda no caixa, e não vi que meu celular havia tocado. Quando a agência fechou, fui verificá-lo, e vi que havia uma ligação da assistente social. Na mesma hora, liguei de volta, toda ansiosa! Ela atendeu, e me disse que já ia ligar pra outra família. Disse-me que talvez eu não fosse querer por causa da idade, pois a criança era nova demais, e devia chorar muito; tinha apenas três meses, segundo ela.
Eu lhe disse que queria conhecer sim. Se ela estava me ligando, acreditei que foi por vontade de Deus! E só iria ligar para o meu marido, para ver o que ele achava. Na mesma hora ele se interessou, e marcamos a visita para a próxima terça-feira.
Que ansiedade! Só poderíamos ir na terça, pois teríamos que passar novamente por uma entrevista com a assistente social e com a psicóloga do abrigo.
O final de semana passou, e só o que se passava pelas nossas cabeças, era o nosso filhinho... Como ele seria? Será que sentiríamos que era o nosso filho naquele primeiro encontro? Será que seríamos aprovados na nova entrevista? Quantas dúvidas! Quanta insegurança!!
Por fim a tão esperada terça-feira chegou.
Enquanto íamos para o abrigo, eu fui prevenindo meu marido - que não esperasse muito da criança. Na minha cabeça à princípio, achei que adotaríamos uma criança mais velha, pois eu havia acabado de fazer a mudança no cadastro para até cinco anos.  Então imaginei-a sofrida, talvez com maus tratos, arredia. Magrinha, ou talvez até não fosse bonita...
Mas eu estava pronta para amá-la, qualquer que fosse seu estado! Como meu marido seria pai de primeira viagem, resolvi preveni-lo.
Quando chegamos, começamos a conversar com a psicóloga e a assistente social. Disseram-nos que aquela seria uma entrevista, e dependendo de como nos saíssemos, poderíamos primeiramente ver a foto da criança, ou até mesmo, conhecê-la naquele dia. Muitas dúvidas e inseguranças ainda passavam pela minha cabeça...
Depois de muitas perguntas e respostas, perguntei se poderia conhecer a criança naquele dia. E então o chamei pelo nome com que ele foi registrado na época.
Elas riram e me disseram que havia uma "confusão" com o nome dele. Que lá no abrigo, quando uma criança chega, elas dão o nome que acham que combina com a criança, e que lá ele era chamado de Pedro.
Nessa hora me emocionei! Arrepiei-me inteirinha, e disse-lhes que aquele era o meu filho! Eu tinha a certeza!
E expliquei que Deus havia falado comigo antes, através de três amigas que eu tenho, mas que não se conheciam. Deus usou-as, para que eu tivesse a certeza quando chegasse a hora. Durante os mais de dois anos que esperamos, quando estava ansiosa, comentava com alguma delas. E todas, me respondiam meio de brincadeira: não se preocupe, não fique ansiosa... Logo o Pedro, ou logo o Pedrinho vai chegar!! J
Quando contei essa história, todos ficaram emocionados!
Ali, naquele abrigo estava o meu filho! Eu não precisava ver a foto, ou vê-lo pessoalmente pra saber, pra ter a certeza!
Enfim, elas nos mostraram a foto dele: um lindo bebê, com jeitinho sereno, todo sorridente. Gordinho, bem tratado, lindo! Nessa hora: mais emoção, mais choro!
E então, por fim conhecemos nosso filhinho!!  Quando nos vimos, ele logo abriu um sorriso lindo... Nunca vi uma criança tão linda, tão simpática!
Ele era muito mais do que eu havia pensado, ou pedido a Deus!
Não havia mais dúvidas, só certezas! Eu e meu marido tínhamos nosso filho tão esperado nos braços...
Ele nasceu ali, naquela hora, pra nós dois!
Muitas pessoas talvez me condenem por eu falar sempre tão abertamente sobre esse assunto. Sobre a adoção. Talvez achem que eu deveria dar a chance do nosso filho decidir mais tarde, se quer que as pessoas saibam ou não, da sua história.
Eu penso que a sua história, que a nossa história, é linda, e que não temos que escondê-la, ou torná-la um tabu.
Eu e meu marido decidimos que ele vai saber desde sempre. Desde que tiver entendimento. Pra que ele saiba que ele foi muito esperado, muito amado desde o início.
Ele é um presente de Deus nas nossas vidas!
É o meu precioso... É lindo, sim. Por fora, e o mais importante: por dentro! Sempre falo a ele, que ele é o príncipe que Jesus enviou pra nós!
E como já disse uma vez: eu descobri que os filhos nascem de várias maneiras...
E o Pedrinho nasceu naquele dia, naquele abrigo; diretamente, dentro dos nossos corações!
Isso é  o que realmente importa...
Amo você,  meu filho!! 

quarta-feira, 19 de março de 2014

Falta de controle...

Imagem extraída do Google
Este é o meu cabelo!
Quando vi essa imagem identifiquei-me de pronto! E essa frase é extremamente verdadeira...
O meu cabelo vive me lembrando disso!
A frase é cômica, pois é de uma mulher descabelada... Achei graça, e me lembrei do meu: pois é rebelde como ele só!
Nos dias em que não tenho nenhum compromisso, ele fica bonito, cacheado, brilhante! E aí, quando preciso que ele fique assim para ir a algum lugar especial ou uma festa, o "bendito" se arrepia todo, não vira para o lado certo e os cachos se desmancham...
No dia na minha entrevista, deu uma chuva antes de eu ir, e depois o tempo esquentou. Como ficou meu cabelo no dia? Uma porcaria, rebelde que ele só! 
Às vezes ele trabalha na previsão do tempo, pois se vai chover, ele começa a arrepiar bem antes. Aí eu já sei que vai cair um toró! Cabelo também é meteorologia! 
Talvez existam cabelos mais obedientes, mas como sou avessa às chapinhas, tenho que aguentar os desmandos do meu! 
Mas, agora falando sério, essa imagem me fez lembrar de um versículo da Palavra de Deus, que nos faz refletir sobre a nossa falta de controle sobre as coisas da vida: "nenhuma folha cai das árvores, nenhum fio de cabelo se desprende de uma cabeça, sem que Deus o saiba". E assim é a vida... Às vezes esquecemo-nos de que não somos soberanos.  E queremos ter o controle de tudo! 
Mas aí vêm as dificuldades, as frustrações, as angustias, as decepções. E só então nos lembramos de que não somos autossuficientes. Que a nossa vida, o nosso dia-a-dia, e o nosso futuro a Deus pertence!
Que não somos capazes de segurar ou fazer nascer um fio de cabelo sequer, se Deus assim não o permitir!
Então, por que tantas vezes somos tão orgulhosos, teimosos e arrogantes? Por que andamos sempre tão ansiosos?
Por quê??
Essa imagem me fez rir de imediato, mas olhando mais a fundo, me fez refletir!  
E hoje, fica aqui a minha reflexão...

quarta-feira, 12 de março de 2014

No mundo da lua...

Imagem extraída do Google
Ontem fui levar o Pedrinho na escola, e sai com a intenção de fazer hidroginástica.
De uns anos pra cá, por conta da menopausa, tive algumas alterações nos meus exames de sangue.
Eu, que nunca havia tido problemas de colesterol, triglicérides, de repente me deparei com um exame com níveis alterados. Então passei a me exercitar mais assiduamente, fazendo academia e hidroginástica.
Pois bem, ontem aprontei o Pedrinho. Troquei-me para ir à academia, arrumei minha sacola com troca de roupa, e vesti a parte de cima do biquíni por baixo da roupa de ginástica. Deixei para trocar a parte de baixo quando saísse da academia.
Cheguei e avisei a professora que iria fazer apenas a parte aeróbica, e depois iria pra piscina.
Quando terminei meu exercício e fui pegar minha bolsa e sacola foi que me dei conta que não havia levado a parte de baixo do biquíni... Sai frustrada, pois estava um dia lindo, ensolarado e ótimo para que eu me exercitasse na água.
Fazer o que, né! Isso é que dá ser distraída! E essa foi apenas uma pequena distração que tive.
Geralmente vivo passando por situações vexatórias por conta dessa minha característica! Muitas vezes fui alvo de piadas de amigos e colegas, que atribuem tanta distração à minha idade, segundo eles, avançada...  J
Só pra se ter ideia, nos últimos dias passei por situações engraçadas por conta disso e acabei rindo sozinha...
Outro dia fui ao centro da cidade, estacionei meu carro e entrei em uma loja. Quando sai, peguei a chave e fiquei tentando abrir um carro branco sem sucesso. Foi quando me dei conta de que não era o meu carro!
         O detalhe é que o meu é da Renault, e o que eu estava tentando abrir era da Volkswagen... 
Graças a Deus, o carro não tinha alarme e ninguém reparou, senão a vergonha seria grande...
Num outro dia, fui ao mercado e peguei vários itens. E fui andando distraída, olhando os preços, quando de repente vi que estava com outro carrinho e com itens que não eram meus!
A única coisa que pude fazer é deixar o carrinho no meio do corredor e torcer para o dono achar... E depois sair à procura do meu! 
Essa não foi a primeira vez! Vira e mexe, alguém vem a mim reivindicar o seu carrinho! J
Estes são só alguns exemplos desse meu jeito distraído de ser...
Em outras ocasiões, já sai com um tênis de cada cor. Saí de brinco trocado -  minhas amigas acharam que eu estava lançando moda... E por aí vai! 
      Ah! Vira e mexe, eu tento passar o meu cartão de débito ou a carteirinha do clube na catraca do ônibus... 
Às vezes até sonho que estou me metendo em alguma enrascada por conta das minhas distrações... Aí, quando acordo é um alívio! 
Mas pensando bem, eu acho que a questão é genética, é de família mesmo! Pois minha mãe é uma das pessoas mais distraídas que já conheci!
Bem, fazer o que!! Lá vamos nós, levando a vida... com a cabeça nas nuvens, e no mundo da lua! J

Quem quiser saber mais sobre outras peripécias, e as da minha mãe, é só dar uma clicada em:
http://adelisa-oquerealmenteimporta.blogspot.com.br/2011/05/distraida-quem-eu.html

Entrevista Programa Resenha TV Sol - Escritora Adelisa Maria Albergaria ...

)

sábado, 8 de março de 2014

Coisas de Mulher... ✿ ✿ ✿

Imagem extraída do Google
           Hoje é o dia internacional da Mulher.
         Mas um ano se passou... voando!
         Desde o último dia da mulher, muita coisa aconteceu na minha vida.
         E tenho certeza, que também nas vidas de tantas outras mulheres!
         O último ano foi um ano bem movimentado pra mim: com a graça de Deus realizei um sonho e lancei meu livro!      Minha amada netinha nasceu... Que amor eu sinto pela minha "Pretinha" (é assim que meu genro e minha filha a chamam carinhosamente...).
         Meu filho de três anos, outro dia deitou ao meu lado, passou as mãos nos meus cabelos e me disse: "te amo"... Existe coisa mais linda para uma mãe ouvir?
         Ontem, uma amiga minha do ônibus me perguntou como é viver essa fase, em que sou mãe de um menino pequeno e também avó.
         Essa fase pra mim é de pura emoção! De amor que às vezes não cabe no peito, e transborda...  
         De amor que se sente de repente, por pessoinhas tão pequeninas, mas que ocupam de imediato, um lugar enorme dentro do coração da gente!
...
         Mas deixando as emoções de lado e voltando ao lado prático da vida, esses últimos dias têm sido bem corridos, pois tenho uma jornada quase tripla: faço algumas coisas em casa de manhã (coisas de dona de casa mesmo), e depois vou trabalhar.
         Quando volto, meu “pequeno” quer toda a atenção. E está arteiro como ele só!  
         E ainda tem a divulgação do meu livro, que é uma nova etapa da minha vida. 
         Confesso que às vezes me sinto sobrecarregada, pois sempre tenho muita coisa pra fazer, mas peço a Deus forças pra seguir em frente e dar conta de tudo!
         Ah! E ainda tento arranjar tempo para os exercícios, pois estou no "auge" da menopausa (se é que existe um "auge" para essa fase...).
         Sigo tentando me equilibrar física e emocionalmente, com os exercícios e os óleos de linhaça.  Eta fase difícil e complicada!
...
         Mas eu sei que não estou sozinha: por aí, têm milhares de mulheres assim como eu!  
         Vivendo, lutando, amando, vencendo.  Às vezes sofrendo e chorando, perdendo e levando uns "tombos" da vida...  Mas sempre sacudindo a poeira e dando a volta por cima!
         Mulheres que são esposas, mães, avós, bisavós. Donas-de-casa, profissionais atuantes no mercado de trabalho, estudantes.
         E como já disse certa vez em um de meus textos sobre esta data:
         Ser mulher é se virar em duas, em três... 

         É ter jornada dupla, tripla... Todos os dias!

         E depois de tudo isso, ainda se espera que estejamos sempre em forma, lindas e perfumadas...
         Sexo frágil? Não!!  Que mulher é frágil hoje em dia?
         Então, parabéns pra  todas nós!  No dia da mulher e em todos os dias! Creio que nós merecemos!!

         E que Deus nos abençoe, nos capacite e nos fortaleça, sempre!

sábado, 1 de março de 2014

Ser mãe de menino...parte II

Já faz uns quinze dias que estou com quatro ideias para escrever em meu blog. Mas estou praticamente sem tempo, pois meu “Pitico” anda muito arteiro nos últimos tempos. E não posso descuidar um minuto!
Quando sento para usar o computador,lá vem ele querendo ver fotos e vídeos... J
Agora ele está dormindo, então resolvi escrever sobre as suas últimas peraltices! Só as dessa última semana! 
No começo da semana ele resolveu alimentar os nossos peixes. Estava na sala e quando meu marido chegou, ele já tinha destampado o aquário (um perigo, porque a tampa é de vidro), e despejado um pote de ração. Resultado: só sobraram dois peixinhos! J
Em outro dia, eu achei uma lembrancinha de uma de minhas viagens totalmente despedaçada. Fiquei intrigada, porque ele não alcança o balcão onde elas ficam. Só que um dia dessa semana, enquanto tomávamos café, ele que estava na sala, arrastou uma cadeira e lá estava mexendo em tudo! É uma arte atrás da outra!
Quando chego do trabalho, ele vem todo feliz me abraçar. Aí sai correndo, e entra no meu quarto. Sobe na cama e começa a pular, como se fosse um pula-pula. Ele sabe que eu fico brava, mas é a primeira coisa que ele faz quando chego. J
Está sempre abrindo alguma gaveta ou algum armário para fuçar. Ou, rabiscar alguma coisa: o sofá e as paredes aqui de casa que o digam! J
Isso, quando ele não chega correndo na cozinha, pega algum vidro de remédio esquecido em cima da mesa, e por um triz quase engole o comprimido... Hoje comprei uma caixa pra guardar os remédios num lugar bem alto!
Pra encerrar a semana, ontem, quando ia levá-lo à escola, ele se trancou dentro do carro enquanto eu abria o portão. Foi um susto!
Ficou tudo trancado dentro do carro: as chaves de casa e do carro, o celular. E eu fiquei lá fora pedindo pra ele apertar o botão e abrir. Só que ele achava graça, apertava outros botões, dava tchau, sorria pra mim e nada!
Fui ficando histérica, sem saber o que fazer. Sem conseguir raciocinar em como tirá-lo de lá! Perdendo a hora da escola e preocupada porque ele estava preso!  
Quando já estava quase gritando, minha filha mais velha que nunca passa em minha casa de manhãzinha, chegou.  Disse-me que eu estava “branca” de nervoso! J
Foi de Deus!! Ela tinha a chave da minha casa. Então abriu a porta, pegou a chave reserva e o tiramos de lá...
E ele todo feliz, como se nada tivesse acontecido! Como é bom ser criança!
Uma vez eu escrevi sobre ser mãe de menino... Como eles são arteiros!!
E o meu, se chama Pedro... Todo mundo diz que os Pedros são arteiros... J
Mas depois que passa o susto, eu me divirto com as peraltices do meu arteirinho!
Link relacionado: http://adelisaoquerealmenteimporta.blogspot.com.br/2013/02/ser-mae-de-menino.html