O que realmente importa...

Minha foto
São Paulo, Brazil
Cheguei ao final do ano de 2009 totalmente estressada e esgotada devido as preocupações do dia-a-dia, com trabalho, estudo, e etc. Na verdade, eu não tinha nenhum problema específico. Apenas, era pessoa ansiosa e preocupada demais com o dia de amanhã. Mas como está na palavra de Deus: "...basta a cada dia o seu mal". Eu precisei passar por um sofrimento muito grande, pra enxergar que na verdade, as minhas preocupações, as minhas ansiedades não mereciam as noites de sono mal dormidas, a depressão que estava querendo tomar conta de mim! Sem querer negligenciar todo resto, eu aprendi que nada nesta vida tem realmente importância, a não ser, a vida daqueles que amamos...estes sim, são o que realmente têm importância em nossa vida... Eu tenho uma filha e um marido maravilhosos, que eu Amo, e que são bençãos que Deus me deu! Eu tenho familiares maravilhosos que eu Amo muito... E tenho amigos maravilhosos que amo muito também...Enfim, tanto pra agradecer ao Senhor! Mas só depois que eu perdi a minha amada sobrinha Júlia, foi que tive a real dimensão da importância de todos eles em minha vida! Todos eles são o que realmente importa pra mim! Todo o restante é secundário...07/2010

Seguidores

sábado, 6 de dezembro de 2014

Tanta história pra contar...

Outro dia conversando com meu colega, o Cid, comentei que após o lançamento do meu livro, já havia escrito mais quarenta e cinco novas crônicas.
Ele ficou surpreso e me disse: - Nossa, você tem muita história pra contar, hein, Adelisa!
É verdade, tenho muita história pra contar, mesmo! E os mais variados tipos de histórias... 
Muitas vezes vivenciei histórias tristes, de sofrimento. O sofrimento, foi o que na verdade, levou-me a começar a escrever. Parece ironia do destino, mas foi exatamente assim que começou. Quem me conhece um pouco, sabe da minha história.
Com o tempo, novas histórias e novos capítulos de minha vida foram surgindo, e vieram as histórias das minhas alegrias, das minhas realizações. E muitas vezes, das minhas inquietações e frustrações também.
Hoje estou aqui tentando escrever, e o Pedrinho, meu filho mais novo, está quase sentando junto comigo na cadeira, tentando também "mexer" no computador.  Eu estipulo horários pra ele poder brincar com joguinhos, e ele já colocou aquele relógio que marca o tempo, aqui do meu lado... 
Colocou a mãozinha na cintura, e me disse que agora não era hora! J
Tem sido assim ultimamente! Tenho muitas ideias na cabeça, e pouco tempo pra sentar e escrever...
Ontem, no ônibus em que volto do trabalho, conheci o casal que me inspirou a escrever "Um Amor e uma carriola". Eu escrevi a história, de ouvir falar, mas nunca tinha presenciado a cena.  Ontem, tive a oportunidade de conversar com a mulher do seu Ceará. E não é  que ela confirmou a veracidade da história? Disse que o carrega mesmo, mas tem vezes que não aguenta o peso...
Lá estavam os dois, indo para a casa do filho mais velho. E, pareciam felizes... Formam um belo casal! Um casal simples, simpático e feliz! Realmente, "o coração tem razões, que a própria razão desconhece"!
Sou observadora e curiosa por natureza, e talvez por isso, tenha sempre alguma história pra contar!
Escrever realmente me faz feliz! Algumas vezes, meus familiares não entendem essa minha necessidade de me "isolar" um pouco e me abstrair com minha escrita... Acham que não estou lhes dando a devida atenção...
Mas, as pessoas que Amo e que me são caras - na verdade, é o que me impulsiona todos os dias a seguir em frente! Muitas vezes em meio às lutas, matando os "leões" diários e engolindo os "sapos" que atravessam meu caminho! J
A minha vida - e creio que a vida de tantas outras pessoas - é assim: feita de altos e baixos, de dias alegres e dias tristes. De emoções boas e ruins!
E são essas emoções... Isso tudo que vivo e sinto, que fazem de mim quem sou!
Agradeço a Deus por ter aprendido a expressar tudo que sinto e vivencio através das palavras!
E citando Milton Nascimento: "Por tanto amor, por tanta emoção, a vida me fez assim"...
- Uma eterna curiosa, observadora e contadora de histórias...

4 comentários:

  1. Que legal minha amiga! Eu também escrevo sobre as coisas que vejo e vivo me inspirando.

    ResponderExcluir
  2. Adelisa, dizem que a a Arte de Escrever é uma prática solitária. Não sabem a multidão que nos rodeia, as constelações que cintilam ao nosso redor, os ardores e furores que nos tomam... guerra e paz, paz e guerra nos nossos cantinhos... são ebulições incontidas. Se não tivermos um momento reservado para os nossos universos e os expressar com contos, crônicas, poemas... aí, sim, nós e os nossos próximos saberemos o que é ausência, o que é falta de atenção. Não, não nos isolamos; apenas abrimos as cancelas e as comportas da alma, da mente para estarmos plenos (diria Manoel de Barros: estarmos em estado de coisa e sentimento de bicho).

    ResponderExcluir
  3. Ricardo de Faria Barros25 de dezembro de 2014 09:25

    Sou seu fã!!! Adoro histórias da vida.

    ResponderExcluir
  4. Elisa Pardo Giadas de Masi25 de dezembro de 2014 09:30

    Adelisa, adoro tudo que escreve. Sinto que tem empatia com as pessoas e essa é uma qualidade que faz com que seus textos sejam tão bons de ler. Quero te desejar um feliz 2015 e que continue nos presenteando com seus textos.

    ResponderExcluir

Olá! Seu comentário me deixa muito feliz! Responderei assim que possível em seu blog ou e-mail.