O que realmente importa...

Minha foto
São Paulo, Brazil
Cheguei ao final do ano de 2009 totalmente estressada e esgotada devido as preocupações do dia-a-dia, com trabalho, estudo, e etc. Na verdade, eu não tinha nenhum problema específico. Apenas, era pessoa ansiosa e preocupada demais com o dia de amanhã. Mas como está na palavra de Deus: "...basta a cada dia o seu mal". Eu precisei passar por um sofrimento muito grande, pra enxergar que na verdade, as minhas preocupações, as minhas ansiedades não mereciam as noites de sono mal dormidas, a depressão que estava querendo tomar conta de mim! Sem querer negligenciar todo resto, eu aprendi que nada nesta vida tem realmente importância, a não ser, a vida daqueles que amamos...estes sim, são o que realmente têm importância em nossa vida... Eu tenho uma filha e um marido maravilhosos, que eu Amo, e que são bençãos que Deus me deu! Eu tenho familiares maravilhosos que eu Amo muito... E tenho amigos maravilhosos que amo muito também...Enfim, tanto pra agradecer ao Senhor! Mas só depois que eu perdi a minha amada sobrinha Júlia, foi que tive a real dimensão da importância de todos eles em minha vida! Todos eles são o que realmente importa pra mim! Todo o restante é secundário...07/2010

Seguidores

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Prisões...

Imagem extraída do Google
            Ontem comecei a refletir sobre “prisões”...
Não aquelas em que existem grades e os detentos cumprem penas por seus delitos. Mas sim, as “prisões” de alma, do coração...
Aquelas em que as pessoas vão  aprisionando-se desapercebidamente. Aos poucos... Com uma mágoa aqui, outra ali...
Um sentimento de ódio, de vingança. De inveja... Em que  medimos forças, muitas vezes, nos comparando a outras pessoas.
E um dia, sem nos darmos conta,  lá estamos nós:  “aprisionados” dentro de nós mesmos!
Muitas vezes, ficamos presos ao passado... A uma época em que nos considerávamos felizes -  por causa de uma situação, ou  de uma pessoa que um dia nos trouxe felicidade... Só que é preciso ter em mente, que o passado já não existe mais. Ficou pra trás...
Dentro dessas "prisões" que nós próprios criamos, não nos damos a chance de sermos felizes!  Como se a felicidade fosse algo intangível. 
Como se pertencesse realmente ao passado. Ou, simplesmente, como se não a merecêssemos!
Eu sei que a vida muitas vezes é dura! De verdade! Levamos "tombos" realmente grandes - onde a impressão que se tem é a de que nunca mais nos levantaremos!
Mas  é preciso soltar as "amarras"! É preciso praticar o desapego dos velhos paradigmas!
É preciso que nos desapeguemos de tudo que nos faz mal. Que deixa o nosso coração apertado e a alma doída!
É preciso "jogar fora" os sentimentos mesquinhos de inveja, ódio e vingança! É preciso praticar mais o perdão! 
        Tirar aquela mágoa que se encontra escondida, bem lá no fundo do nosso ser. Que cresce aos poucos como uma erva-daninha, minando todos os nossos bons sentimentos. Fazendo com que nos tornemos amargos e doentes de alma...
Troquemos a mágoa e o ódio, pelo perdão! Jesus nos disse para perdoarmos setenta vezes sete...
Troquemos também, a inveja, por admiração! A vingança, pelo altruísmo!
O passado, pelo presente! Com foco,  força e fé no futuro!
Libertando-nos dessas "prisões", com certeza, nos tornaremos mais leves e felizes...
           Liberte-se e seja feliz!!    J


"Mas onde se deve procurar a liberdade é nos sentimentos. Esses é que são a essência viva da alma." 
                                                                                  Johann Goethe

6 comentários:

  1. Que texto bom minha amiga! Realmente é tudo como vc falou, e no final, vc falou corretamente sobre como deve ser a saída da prisão! Parabéns minha amiga!

    ResponderExcluir
  2. Bonita reflexão, Adelisa.

    é preciso libertar-se, mesmo, incansavelmente.

    Saudoso abraço!

    ResponderExcluir
  3. Apegar-se à semente que gerou esta árvore impede saborear o fruto que ela nos oferece. E, como diz minha mulher: sente saudades do Egito quem não se digna ser livre.

    ResponderExcluir
  4. Leoncio de Oliveira Carvalho11 de dezembro de 2014 07:38

    Gosto muito de Cruz e Souza, poeta abolicionista, quando ele diz: "O maior castigo de um escravo é admirar seu feitor!".

    ResponderExcluir
  5. Monica Barroso Moreira11 de dezembro de 2014 08:10

    Pura verdade!!! Lindo texto!!!

    ResponderExcluir
  6. Neideci Aparecida Trucolo Pereira11 de dezembro de 2014 08:14

    Lindo texto para reflexão. Parabéns!

    ResponderExcluir

Olá! Seu comentário me deixa muito feliz! Responderei assim que possível em seu blog ou e-mail.