O que realmente importa...

Minha foto
São Paulo, Brazil
Cheguei ao final do ano de 2009 totalmente estressada e esgotada devido as preocupações do dia-a-dia, com trabalho, estudo, e etc. Na verdade, eu não tinha nenhum problema específico. Apenas, era pessoa ansiosa e preocupada demais com o dia de amanhã. Mas como está na palavra de Deus: "...basta a cada dia o seu mal". Eu precisei passar por um sofrimento muito grande, pra enxergar que na verdade, as minhas preocupações, as minhas ansiedades não mereciam as noites de sono mal dormidas, a depressão que estava querendo tomar conta de mim! Sem querer negligenciar todo resto, eu aprendi que nada nesta vida tem realmente importância, a não ser, a vida daqueles que amamos...estes sim, são o que realmente têm importância em nossa vida... Eu tenho uma filha e um marido maravilhosos, que eu Amo, e que são bençãos que Deus me deu! Eu tenho familiares maravilhosos que eu Amo muito... E tenho amigos maravilhosos que amo muito também...Enfim, tanto pra agradecer ao Senhor! Mas só depois que eu perdi a minha amada sobrinha Júlia, foi que tive a real dimensão da importância de todos eles em minha vida! Todos eles são o que realmente importa pra mim! Todo o restante é secundário...07/2010

Seguidores

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Quem é o(a) cronista?

Imagem extraída do Google
No dia do lançamento de meu livro, um dos meus irmãos citou Graciliano Ramos ao definir minha escrita: 

“Quem escreve deve ter todo o cuidado para a coisa não sair molhada.  
Quero dizer que da página que foi escrita não deve pingar nenhuma palavra, a não ser as desnecessárias. É como pano lavado que se estira no varal. Deve-se escrever da mesma maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício. 
Sabe como elas fazem? Elas começam com uma primeira lavada. Molham a roupa suja na beira da lagoa ou do riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer.
Depois colocam o anil, ensaboam, e torcem uma, duas vezes. Depois enxáguam, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão.
Depois batem o pano na laje ou na pedra limpa e dão mais uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota.
Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou no varal, para secar.
A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso, a palavra foi feita para dizer."

Até então, eu não tinha me dado conta que sou uma cronista! J Na verdade, quando me denominam “escritora”, ainda soa estranho pra mim!
Às vezes, sinto-me um tanto limitada, pois sei apenas escrever crônicas, e ocasionalmente, algumas reflexões...
Não tenho o dom como alguns escritores mais ecléticos, de escrever outros gêneros literários: como poemas, contos e romances. 
Sou apenas cronista! É isso que sou em minha essência! Sei escrever sobre aquilo que vivencio, sinto ou observo.
Quando começo - escrevo, leio, releio, mudo uma palavra aqui, outra ali, e assim vou amarrando as minhas ideias, até que chega o momento em que olho para o que escrevi, e ali está o que quero dizer!
Não sei falar muito bem do que os outros sentem - um dia, um tio me sugeriu escrever sobre os sentimentos do meu marido em relação ao nosso filho. Consegui escrever assim poucas vezes... É difícil pra mim, externar em palavras o que as outras pessoas sentem.
Talvez seja uma espécie de egocentrismo: pois só consigo passar para o papel com propriedade, aquilo que verdadeiramente sinto, percebo e experimento!
Quando estou inspirada, sento ao computador e as palavras vão fluindo de uma só vez! É um processo natural: não preciso pensar muito, elas fluem livremente!
E aí, como as lavadeiras, eu "começo uma primeira lavada, torço e retorço", até que no final, as palavras exprimam exatamente o que estou sentindo, aquilo que quero passar para as pessoas! 
Minhas crônicas são escritas com os mais variados sentimentos: de alegria, de tristeza... Em sua essência, vem diretamente do meu coração!
E também, muitos fatos que outrora me trouxeram problemas, deixaram-me nervosa ou ansiosa, depois de um tempo transformam-se em histórias cômicas -  em que ao lembrar, dou boas risadas! 
Ou, então me levam a reflexões.
Escrever é uma espécie de terapia... Comecei há quatro anos, e de lá pra cá, não consegui mais parar!
Viver, sentir, sorrir, chorar, observar, experimentar...   Tudo isso é motivo de inspiração pra mim!
É um aprendizado, são momentos reflexivos, que eu eternizo com minhas palavras...

"O cronista é um homem comum, que tem o dom de ver o cotidiano com os olhos da emoção."

4 comentários:

  1. Muito bom minha amiga cronista!
    Também sinto o mesmo!

    ResponderExcluir
  2. Juliana Parizotto15 de julho de 2014 14:01

    O escritor em geral tem seus sentimentos mais fortes, ou pelo menos extravasados..
    Amo suas cronicas....
    Não se sinta sem graça de colocar no papel palavras do coração.

    ResponderExcluir
  3. Adelisa, uma frase de Leon Tolstoi: "Se queres ser universal, começa por pintar a tua aldeia", correlacionada a "Canta a tua aldeia e cantarás o mundo".
    Quando afirmas "só consigo passar para o papel com propriedade, aquilo que verdadeiramente sinto, percebo e experimento!", estás sendo universal. Expressas a vivência de um ser humano, e, "uma gota no oceano é todo o oceano em sua imensidade".

    ResponderExcluir
  4. Leoncio de Oliveira Carvalho23 de julho de 2014 06:25

    Cara colega Adelisa, no filme "O Sorriso de Mona Lisa" a Julia Roberts em certo momento tece o comentário que: "... arte é tudo aquilo que seu autor o declara ser!". Isso, alem de ser lindo, é de uma profundidade incrível. Voce, assim como tantos humanos, que descreve suas visões do mundo, reais ou não, cria arte. Não basta escrever pois uma cópia não é arte (ainda que assim o pareça). As descrições pessoais que são colocadas para dar, ou retirar cores, de uma cena, essas sim transformam a escrita em arte. O "timing" dando cadência, o sentimento dando emoções, a experiencia dando profundidade, e outras características mais é que fazem de um escritor um artista.
    É esse dom que promove os encontros que são tão divinos.
    É essa coisa que Vinicius fala: "Viver é arte do encontro em um mundo de tantos desencontros!"
    Bom ter encontrado voce. Bom voce nos encontrar. Parabens, artista!

    ResponderExcluir

Olá! Seu comentário me deixa muito feliz! Responderei assim que possível em seu blog ou e-mail.