O que realmente importa...

Minha foto
São Paulo, Brazil
Cheguei ao final do ano de 2009 totalmente estressada e esgotada devido as preocupações do dia-a-dia, com trabalho, estudo, e etc. Na verdade, eu não tinha nenhum problema específico. Apenas, era pessoa ansiosa e preocupada demais com o dia de amanhã. Mas como está na palavra de Deus: "...basta a cada dia o seu mal". Eu precisei passar por um sofrimento muito grande, pra enxergar que na verdade, as minhas preocupações, as minhas ansiedades não mereciam as noites de sono mal dormidas, a depressão que estava querendo tomar conta de mim! Sem querer negligenciar todo resto, eu aprendi que nada nesta vida tem realmente importância, a não ser, a vida daqueles que amamos...estes sim, são o que realmente têm importância em nossa vida... Eu tenho uma filha e um marido maravilhosos, que eu Amo, e que são bençãos que Deus me deu! Eu tenho familiares maravilhosos que eu Amo muito... E tenho amigos maravilhosos que amo muito também...Enfim, tanto pra agradecer ao Senhor! Mas só depois que eu perdi a minha amada sobrinha Júlia, foi que tive a real dimensão da importância de todos eles em minha vida! Todos eles são o que realmente importa pra mim! Todo o restante é secundário...07/2010

Seguidores

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Quando é que a gentileza saiu de moda??


Não sei ao certo, se eu é que estou "démodé", mas ainda prezo muito valores, tais como: a gentileza, o altruísmo e as boas maneiras.
Infelizmente, parece que hoje em dia, estes valores saíram de moda, e não são mais levados em consideração.
Quando eu nasci, minha mãe fez um acróstico pra mim, e numa das frases, ela "profetizava" que eu seria uma pessoa altruísta.
Sem querer me vangloriar (pois sei que tenho inúmeros defeitos), parece que essa "profecia" se cumpriu em minha vida, pois uma das coisas que mais gosto de fazer é ajudar as pessoas, lhes dar a atenção devida, dentro das minhas possibilidades. 
O engraçado (e triste ao mesmo tempo), é que muitas vezes sou mal interpretada por isso. Pois já ouvi inúmeras vezes aquela velha frase: o que é que você vai ganhar com isso? Ou: qual é o seu interesse?
Meu Deus! Em que mundo nós estamos?  Será que uma pessoa não pode ser solidária sem esperar nada em troca?
E a gentileza? Por onde anda nestes últimos tempos?
Outro dia fui criticada por perguntar as horas (sou meio distraída, e às vezes esqueço até que estou com o relógio).  E, até por falar sempre "bom dia", "boa tarde"...
Eu "adoro" ajudar,  falar bom dia, boa tarde e boa noite pra todo mundo!
Puxa, não custa nada! E pra mim é tão bom desejar o bem para as outras pessoas! Sem usar de demagogia: sem qualquer interesse, e independente da classe social ou importância da pessoa.  Pra mim, todas as pessoas merecem minha consideração e respeito. 
Pra dizer a verdade, classe social e estudo, são coisas totalmente independentes desses mesmos valores que acabei de citar. 
Pois conheço pessoas cultas, letradas, mas totalmente "analfabetas" no quesito educação.
O altruísmo, a gentileza e as boas maneiras, eu creio que vêm do "berço". E, nenhum livro, dinheiro, estudo, ou qualquer outro bem material podem comprá-los.
E refletindo mais a fundo à respeito de tudo, eu chego à conclusão que eu quero mais é estar sempre  "démodé", se esta for a questão!
Posso até ser mal interpretada por alguns, que infelizmente não conhecem o prazer e a alegria de se doar num gesto gentil. Ou até mesmo, de desejar um simples "bom dia" ou, um "Deus te abençoe", para  alguém que talvez esteja apenas à espera de um pouco de afeto.
E, quero sim, poder ajudar, quantas vezes forem necessárias, a quem de mim precisar.
Afinal, o que importa realmente nessa vida?
Parafraseando aquele compositor e cantor famoso: os mal educados e mal humorados que me perdoem -  mas pra mim, o respeito,  a gentileza e as boas maneiras são fundamentais! 

11 comentários:

  1. É Adelisa vc tem razão...o seu texto é ótimo...as vezes passo muito por isso com as pessoas que lido no dia-a-dia....a educação que vem o berço infelizmente não se adquire mais, eu não tenho mais a esperança que essas pessoas mudem, porque a falta de educação e a falta de boa vontade em ajudar as pessoas fazem com que as pessoas "adquiram" um mal humor só delas...que ninguém consegue passar nem perto....uma pena...e o pior é que são jovens....mil bjs pra vcs...e um especial pro Pedrinho....Marisa

    ResponderExcluir
  2. Vale muito a pena, esses valores são fundamentais. O amor ao próximo nunca deve se esfriar e sair de moda. Esses valores é que tornam o dia a dia das pessoas bem melhor e que nos faz amar e sentir mos amados e respeitados. Concordo plenamente com as palavras.

    ResponderExcluir
  3. Olá amiga! Pois é , pessoas educadas e gentis parecem estar cada vez mais difíceis de se encontrar mas.... acho que ainda existem

    ResponderExcluir
  4. Adelisa, magnífico seu blog..Parabéns!
    Então você já retornou ao trabalho?.Vou organizar minha agenda do próximo ano. Por favor, informe a data de aniversário do Pedrinho, de seu aniversário e do Rogério. Um grande beijo no Pedrinho!
    Obrigado.
    Abraço,

    ResponderExcluir
  5. Como disse o profeta Gentileza: gentileza gera gentileza!

    As pessoas estão se esquecendo do primordial, conviver em comunidade. A individualidade está afetando as relações de forma muito negativa...

    bjks JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  6. Não acredito no altruísmo porque quando damos alguma coisa sempre queremos receber algo em troca, mesmo que inconscientemente. Não estou falando em algo monetário e sim em gratidão, mesmo. Ou você gostaria de fazer um favor a alguém e não receber nem um "obrigado(a)"? Você continuaria prestando algum favor/ajuda a alguém mesmo que esse alguém não dê valor, a "troco de nada", mesmo? Repense.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não costumo responder por aqui, mas como vc não deixou o nome, nem e-mail:
      Eu repensei, e continuo acreditando no altruísmo, e na gentileza.
      Confesso que talvez ficaria decepcionada num primeiro momento (se não houvesse nenhum tipo de reconhecimento). Mas ainda ainda, continuaria sendo gentil.
      Ser gentil, ser altruísta, é em primeiro lugar uma escolha! E eu escolho ser gentil, pois isso me faz muito bem!! E sem querer usar de demagogia: é inerente em mim...

      Excluir
  7. Continuaria sendo gentil com uma pessoa mesmo se ela não reconhecesse sua gentileza e mesmo ficando decepcionada num primeiro momento? Então, tá.

    Mas você se contradiz ao dizer que "ser gentil e altruísta é uma escolha" e logo em seguida "é algo inerente em você". Se é inerente então não é uma escolha, pois inerente significa "estar ligado a sua natureza" e escolha é "aplicação do livre arbítrio".

    ResponderExcluir
  8. Vc me pegou, hein! É um bom argumentador(a)!
    Seria melhor se se identificasse (eu gosto de saber com quem estou conversando...).
    É inerente, pois a minha natureza me leva a tomar a decisão de ser gentil.
    E não deixa de ser uma escolha, pois em muitas situações eu escolho...
    Poder até ser contraditório. Mas é assim mesmo que funciona. :-)
    Muitas vezes, fiz o bem, sem que a pessoa soubesse (sem que ninguém soubesse). E me senti muito bem com isso!
    Isso pode até ter um outro nome que não seja "altruísmo" legítimo.
    O que continua importando pra mim, é verdadeiramente o que sinto...É a sensação do coração leve...
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  9. Antonio Raimundo F Alves4 de agosto de 2012 08:45

    A descrença em relação a atitudes altruístas e desprendidas toma forma e põe quem ainda acredita nessas coisas em uma espécie de gueto comportamental.
    Lembro de ter lido (acho que na Superinteressante) uma matéria exatamente sobre isso, a bondade, o altruísmo, a vontade desinteressada de ajudar alguém. Os especialistas e cientistas eram francamente céticos quanto à sinceridade e consistência dessa atitude e filosofia pessoais. Em sua maioria, claro.
    No caso da doação de sangue, que seria uma atitude clara de ajuda desinteressada ao próximo, eles enxergaram no curativo pós-extração, que fica por algum tempo no braço do doador, uma espécie de exibicionismo, de afirmação em relação aos outros do meio, uma espécie de pagamento pelo ato.
    Mas, re-parafraseando o poeta, eu vou e digo: fundamental mesmo são posts como este.

    ResponderExcluir

Olá! Seu comentário me deixa muito feliz! Responderei assim que possível em seu blog ou e-mail.